sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

PROJETOS ANUAIS MENSAL

 

Projeto: De volta às aulas


Objetivos:
  •     Conhecer o espaço físico da escola, suas dependências e funcionários;
  •     Participar de atividades lúdicas de conhecimento dos espaços e pessoas;
  •     Compartilhar os momentos vividos durante as férias com os amigos e professores;
  •     Expressar-se sobre o que gostaria que fosse diferente neste ano letivo;
  •     Conhecer a escola como um ambiente onde todos têm algo a oferecer;
  •     Despertar o gosto pela escola e pela freqüência às aulas;
  •     Ter ciência dos novos horários, projetos, festas e calendário para o novo ano letivo;
  •     Refletir sobre a importância de ser responsável e ter compromisso, firmando metas para o ano letivo que se inicia;
  •     Traçar objetivos de estudo e conhecer a importância de separar horários de estudo em casa;
  •     Assistir a palestra, junto com os responsáveis, sobre calendário, horário e assuntos afins para o novo ano que se inicia;
  •     Conhecer os direitos e deveres de alunos, professores e demais funcionários da escola.




 



Segunda-feira:
- Acolhida e apresentação da professora e dos alunos.
-Seguindo horário estabelecido, cada professor deve levar sua turma a passear pela escola, com o fim de conhecerem as dependências e tirarem dúvidas. Há alunos antigos que já a conhecem, mas há os alunos novos, que ainda precisarão se adaptar. Portanto, este momento é fundamental.
- Conhecendo a Sala de aula, a professora e os colegas.

Sugestões:
- Confecção do crachá de identificação dos alunos, para as classes de Alfabetização;
-Confecção do mural de direitos e deveres;
-Redação sobre as férias, ilustração sobre as férias ou, inovando, criar um gibi das férias, com quadrinhos e balões ilustrados que representem o que o aluno fez nas férias;
-Avaliando o ano que se passou: como você foi enquanto aluno, no ano anterior? Que mudanças gostaria de realizar para o ano que se inicia? O que acha que precisa mudar?
-Dinâmicas de grupo para socialização, entrosamento etc.
-Apresentação dos horários para o ano que se inicia, calendário de festas, projetos, reuniões, requisitos para provas, uniformes etc.

- Atividades diversificadas:
Modelagem com massinha; Jogos de encaixe; Construção com blocos de madeira; Desenho livre com giz de cera; Caixa de brinquedos; Casinha da boneca, construção da primeira página do caderno de comunicados, recebimento de materiais com anotações, música com interpretação (esse ano quero paz no meu coração... Quero um amor maior, amor maior que eu... etc), Confecção de mural volta às aulas, enfeitar a sala de aula para o novo ano letivo, etc.

-Obs:O professor pode iniciar tarefas de sondagem da turma, como: escrita do nome, criar um texto a partir de gravura, criar frases, ditado de letras, letras móveis para montar palavras, etc.
- Aprendendo as músicas da rotina.
- Avaliação do dia e preparação para a saída.
-Levar o bilhete avisando aos responsáveis sobre a reunião no dia seguinte.
- As classes de Ed. infantil levarão para casa as lembrancinhas confeccionadas pelo professor (pode ser confeccionada junto com a turma neste primeiro dia) pode ser uma viseira, um lápis-lembrança, marcador de livros, porta-lápis, gravata etc.

 



Terça-feira:
- Acolhida e apresentação da professora e dos alunos.
- Reunião com os responsáveis e entrevista para preenchimento da ficha de entrevista da Educação Infantil.
- Conhecendo a escola: o banheiro, o refeitório e a direção. Os responsáveis podem passear pela escola e conhecer suas dependências, junto com os coordenadores.
-Organização dos cadernos para o novo ano! Vamos colar a capa de cada caderno? Ilustrar, colorir, etc.
-Iniciando a sondagem de matemática através de cálculos concretos utilizando objetos e posteriores anotações. Para as turmas de maior faixa etária, iniciar com cálculos e situações problemáticas.
-Música do dia, dinâmica de grupo, jogos lúdicos;
- Avaliação do dia e preparação para a saída

 
 
Quarta-feira:
- Atividades iniciais de rotina: Rodinha – Bom dia; observação do tempo; Calendário; Oração; Chamadinha; Hora da Novidade; Planejamento do dia
- Brincadeira do chapéu para fixação do nome dos alunos.
- A partir de uma escala, todas as turmas assistirão a um vídeo e posteriormente farão ilustração ou redação sobre o mesmo. Sugestão: Tapete vermelho ( Um pai do interior sonha em levar seu filho ao cinema e para realizar o sonho, passará por muitas aventuras. Pode ser desenho animado dependendo da faixa etária)
- Conversa sobre a escola, suas dependências e funções.
- Conhecendo a escola: o pátio, o parquinho e a sala de jogos.
- Roda de Leitura: A Turma na Escola.
- Continuação da sondagem inicial com anotações para avaliação da turma;
_Confeccionando o mural de volta as aulas;
-Pesquisando sobre o Carnaval, confeccionando cartazes;
- Atividades diversificadas: Modelagem com massinha; Jogos de encaixe; Construção com blocos de madeira; Desenho livre com giz de cera; Caixa de brinquedos; Casinha da boneca.
- Avaliação do dia e preparação para a saída.



 


Quinta-feira:
- Atividades iniciais de rotina: Rodinha – Bom dia; observação do tempo; Calendário; Oração; Chamadinha; Hora da Novidade; Planejamento do dia.
- Roda de Leitura: A Escola do Marcelo.
- Visita às dependências da Escola.
-Lanche festivo ou piquenique organizado por turma;
- Educação Física ou recreação para todas as turmas;
- Exposição dos materiais criados sobre volta às aulas, inclusive os gibis, que ficarão expostos;
-Dinâmicas, jogos, atividades de revisão, sondagem, fixação;
- Conversa sobre a visita à Escola, sobre os funcionários ...
- Música: A minha escola
- Atividades diversificadas: Desenho da Escola com giz de cera; Modelagem; Jogos de encaixe; Construção com blocos de madeira...
- Avaliação do dia e preparação para a saída.

 


Sexta-feira:
- Atividades iniciais de rotina: Rodinha – Bom dia; observação do tempo; Calendário; Oração; Chamadinha; Hora da Novidade; Planejamento do dia.
- Roda de Leitura: Poesia Minha Escola.
- Trabalhando a palavra ESCOLA (identificação e letra inicial).
- Trabalhando as letras do alfabeto;
- Confeccionando cartazes do alfabeto para a sala;
- Criando textos;

 

Início das atividades de Para Casa;

- Caracterização de uma escola de samba (montagem de bandinha, bloco carnavalesco, máscaras, fantasias e desfile)
- Pintura com giz de cera no relevo da Escola e colagem das janelas.
- Música: A minha escola
- Atividades diversificadas: Desenho da Escola com giz de cera; Modelagem; Jogos de encaixe; Construção com blocos de madeira...


PROJETO MINHA ESCOLA


DURAÇÃO:  TODO O PRESENTE ANO LETIVO

PÚBLICO ALVO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL



JUSTIFICATIVA:
  • Construção de regras;
  • Respeito de seu grupo de amigos, família, professores e demais pessoas da escola;
  • Valorização do diálogo como forma de lidar com os conflitos.



OBJETIVOS:
  • Adaptação ao ambiente escolar;
  • Conhecimento da bagagem dos alunos, quem são e quais seus interesses;
  • Reconhecer os espaços físicos e limites de sua escola.



DESENVOLVIMENTO:
  • Roda da conversa;
  • Passeio pela escola;
  • Músicas;
  • Regras de comportamento;
  • Apresentação dos nomes.



PRODUTO FINAL:

     Confecção coletiva de cartazes com regras de comportamento e da rotina em sala de aula e na escola.

 

PROJETO FAMILIA E ESCOLA



PROJETO INTERDISCIPLINAR
SÉRIE: 1° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
1-TEMA: A FAMILIA NO AMBIENTE ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES A APRENDIZAGEM DA CRIANÇA.2-SUBTEMAS: FAMÍLIA, ESCOLA, CRIANÇA.
3-JUSTIFICATIVA: O envolvimento e a participação da família no ambiente escolar nos dias atuais é considerado componente importante para o desempenho ideal das instituições de ensino, e para a segurança da criança em sua vida escolar.
O ambiente escolar tem sem dúvida, uma função importantíssima, a educadora. Por isso se faz necessário que a família procure acompanhar o desenvolvimento da criança em todo o seu processo de aprendizagem, tanto no lar quanto na sua atividade na escola.

4-OBJETIVO GERAL:
Desenvolver um trabalho coletivo no ambiente escolar incluindo a família no processo ensino-aprendizagem, como parceiros e colaboradores, estimulando o crescimento do aluno, resgatando o fortalecimento da auto-estima.

5-OBJETIVOS ESPECÍFICOS:-Valorizar dentro do ambiente escolar e familiar a importância do diálogo;
-Promover a integração entre família e escola, estimulando o rendimento e o comportamento escolar;
-Ressaltar a importância da afetividade na escola e na família;
-Trabalhar o lógico - matemático, lingüístico e produção de textos coletivos;
-Orientar os alunos sobre os direitos e deveres de cada um (normas da escola);
-Adotar atitudes de solidariedade, companheirismo, respeito e cooperação;
-Aprender a resolver conflitos por meio do diálogo, ouvir e respeitar os outros

6- DESENVOLVIMENTO:-Conversação;
-Filmes;
-Cantigas de roda
-Histórias;
-Músicas;
-Contos;
-Passeio na casa dos alunos;
-Promover jogos;
-Piquenique;
-Conversação sobre a família;
-Origem do nome;
-Álbum do nome;
-Pesquisa da família montando a árvore genealógica;
-Trazer fotografias da família;
-Mural com palavras mágicas que ajudam na boa convivência;
-Ajudante do dia;
-Corpo humano;
-Cuidado com as coisas alheias.

7- METODOLOGIA:-Adaptar filmes sobre a família;
-Trabalhar histórias em quadrinhos, literárias, músicas, fantoches, teatro e conto partindo do tema;
-Discutir o desempenho de cada membro da família, as diferenças e semelhanças;
-Fazer mural da família (com fotos ou recortes), mostrando as diversas estruturas familiares, ressaltando a importância do amor, respeito, solidariedade, perdão...;
-Trabalhar a auto-estima e a responsabilidade de cada alunam, partindo do ajudante do dia;
-Trabalhar com os conteúdos sobre higiene e fazer com que eles se reflitam também em casa.

8-CONTEÚDOS:
-Linguagem oral e escrita: textos coletivos, utilização da escrita, recorte de palavras relacionadas com o tema, leitura de textos complementares; -Lógico-matemático: contagem de letras, gravuras e situações-problema -História e Geografia: árvore genealógica, comparar fotos passadas e atuais da criança /escola e criança/ família, localização da escola em relação da residência de cada aluno; -Ciências; higiene e corpo humano;
-Ensino Religioso; confecção de cartazes, ressaltar a importância do trabalho em grupo e o respeito ao próximo.

9- ATIVIDADES:
-Releitura de filme sobre a família;
-Utilizar recortes e desenhos livres, partindo de história em quadrinhos e leituras;
-Trabalhar os diversos tipos de moradias, através de histórias infantis (Os três porquinhos) e visitas (casa dos alunos) ou de recortes de revistas;
-Pedir para os alunos que pesquisem com seus pais e avós sobre a sua origem;
-Recorte de revistas ou fotos da família para montar um mural sobre o tema;
-Partindo do tema higiene, pedir para que as crianças tragam de casa, rótulos de produtos de higiene para colar num painel de onde se fará outras atividades: (com que letra começa..., quantidade de letras etc);
-Trabalhar vários textos coletivos a partir do tema do dia.

10-AVALIAÇÃO:
Será feita através de registros, de acordo com a participação, interesse e desenvolvimento de cada aluno, individual e coletivamente. 



Projeto: Minha escola e meus amiguinhos

I - JUSTIFICATIVA:
Por serem as faixas de idades menores, as com mais dificuldade de adaptação é necessário todo um trabalho, que leve a criança a perceber o real significado de estar na escola, principalmente nos aspectos de: fazer novas amizades (socialização) e descobrir os diferentes espaços da área escolar, vivenciando neles brincadeiras e construção de conhecimentos.

II - OBJETIVOS:
- Facilitar a adaptação da criança na escola.
- Tornar o processo de socialização mais rápido.
- Despertar o interesse da criança pelo dia-a-dia na escola, facilitando o seu desenvolvimento em todos os aspectos: físico, emocional e intelectual.

III - DETONADOR:
A história “ Pinóquio”.

IV - PERFIL DO GRUPO:
Crianças na idade de quatro anos, comunicativas e curiosas.

V - PROBLEMATIZAÇÃO;
Já sabemos:
- nome de alguns colegas.
- nome de alguns profissionais, inclusive a nossa professora.
- algumas das nossas características como ser humano.
Queremos saber:
- quem são os novos amigos?
- quem são os profissionaIs que trabalham em nossa escola e o que fazem?
- quem somos e como somos? ( características físicas e sociais )

VI – ÁREAS DO CONHECIMENTO:
Língua Portuguesa, Matemática, Ciências Naturais, Ciências Sociais e Artes.

VII - RECURSOS:
- brinquedos afetivos e pedagógicos;
- tintas, papéis, canetinhas, lápis coloridos, pincéis;
- tesoura, cola, massa de modelar;
- livros, gibis, revistas, jornais, folhetos de propagandas;
- e outros materiais e objetos que serão descritos nas atividades.

VIII – AVALIAÇÃO:
- Observação da criança durante as atividades.
- Anotações no registro.
- Trabalhos realizados pelas crianças.
- Diálogo com a criança e seus familiares.
- Reuniões com os pais.

IX - DURAÇÃO:
Dois meses.

X - ATIVIDADES:
1- Contar a história Pinóquio, destacando a importância da escola. Conversar sobre ela, estabelecendo comparações entre elas (crianças) e o boneco.
- Contei a história e depois conversamos sobre ela. As crianças já conheciam essa história e as vezes queriam antecipar algum detalhe. Assim como o boneco recebe um nome nós também recebemos o nosso.
2- Fazer a apresentação ( cada criança fala seu nome, inclusive a professora) observando se há nomes iguais.
- Fizemos a apresentação e enquanto eles falavam os nomes, fui escrevendo-os na lousa. As crianças, perceberam que há dois Vinícius na turma.
3- Fazer uma brincadeira para ajudar as crianças a identificarem os amigos, principalmente os novos.
- Fizemos uma adaptação da brincadeira “lenço-atrás”. Toda vez que uma criança deixava o “lenço” atrás da outra e corria, o nome dela ia sendo repetido pela turma com acompanhamento de palmas. Todas participaram inclusive a professora.
4- Fazer um passeio pela escola, conhecendo seus espaços, os profissionais que ali trabalham e suas respectivas funções.
- A maioria dos profissionais era conhecida pelas crianças. Não sabiam o nome e a função da diretora.
5- Fazer uma lista das coisas que tem na escola.
- As crianças falaram: comida, , brinquedos, massinha, tinta, giz de lousa, gira-gira, escorregador, balanço, baldinhos, salas, portas, livros, paredes, quadros, papel, crianças e adultos.
6- Pesquisar em revista fotos e figuras que lembram as coisas que tem na escola. Pedir que recortem, e colem em folhas de sulfite para depois montar um livrinho “ Tem na escola”.
- Figuras encontradas pelas crianças: crianças (brincando, escrevendo, balançando, no colo dos pais e dormindo), mochilas, mamadeiras, armário, xícaras, mesa, cadeiras, árvore, livro, peças sanitárias, comida, escova de cabelo, cozinheiro, televisão e computador. Na hora de encontrar as figuras eles acabaram encontrando coisas que não tinham sido ditas quando fizemos a lista.
7- Conversando sobre o porquê de estar na escola, a importância da escola e o principal elemento da escola “a criança”. Estabelecer comparações de “Pinóquio”, o boneco, com um menino de verdade (no qual ele se transforma depois).
- As crianças perceberam que ele foi feito de madeira e que um menino de verdade (toda criança) é feito de carne, ossos, pele e sangue. Ainda fizemos uma comparação, estabelecendo diferenças entre os meninos e as meninas.
8- Conversa sobre o que podemos e o que não podemos fazer na escola. Estabelecendo regras.
- Fizemos uma lista do que as crianças “podem” e “não podem” fazer na escola. Elas foram falando, enquanto eu escrevia na lousa.
“Podem” fazer na escola: desenhar, brincar, comer, tomar banho e dormir (se ficar o dia todo), ver livros, dançar, cantar, escrever, pintar e modelar.
“Não Podem” fazer na escola: brigar, jogar areia na calçada, gritar nas salas, pátio e corredor, sujar a escola, quebrar os brinquedos, correr nas salas, pátio e corredores, sair da sala sem autorização e jogar brinquedos e água.
9 - Fazer o desenho de uma criança, usando uma delas para fazer o contorno do seu corpo. Depois acrescentar os detalhes como: cabelos, olhos, orelhas, boca etc. Trabalhando o esquema corporal.
- Fiz o desenho (contorno) da Camila e fui acrescentando os detalhes conforme as crianças iam falando. Pedi que fossem nomeando cada parte do corpo. Conversamos sobre o tronco (conceito desconhecido das crianças) ao qual ficam ligados: cabeça, braços e pernas.
10 – Desenhar o esquema corporal.
- As crianças desenharam com canetinhas a colega Camila. Alguns tiveram mais dificuldade. A Gabriela é quem desenhou com maior riqueza de detalhes.
11- Contar uma história que mostre a importância e utilidade das partes do nosso corpo ( mãos, olhos, boca etc.).
- Contei a história “O menino que via com as mãos”. Essa história fala da falta da visão e do uso das mãos para compensá-la.
12- Explorar os vários aspectos da história.
- Conversamos sobre a importância das mãos tanto para quem tem todos os órgãos do sentido perfeitos, como para os que os têm deficientes.
Os deficientes visuais necessitam do tato para reconhecer objetos, pessoas e lugares, e os surdos-mudos para se comunicar. Falei da escrita em Braille e dos sinais dos surdos-mudos.
- Fizemos uma lista do que podemos fazer com nossas mãos. As crianças falaram: pegar coisas, brincar, abrir (torneira e porta), bater palmas, desenhar, pintar, ver livros e comer.
- Colocamos as mãos sobre os olhos para imaginar a situação do menino da história.

- Utilizando a “caixa surpresa” (brinquedo pedagógico) as crianças tocaram objetos dentro dela (sem ver) ,identificando apenas com o tato.
Previamente coloquei cinco círculos de diferentes tamanhos na caixa. “Cinco”,pois nossas mãos têm cinco dedos e que são de tamanhos diferentes. As crianças perceberam que eram círculos, só que disseram rodas. Também identificaram os tamanhos.
13 – Desenhar uma ou mais parte do corpo, trabalhada com a história.
- Desenhei o contorno das mãos das crianças e elas as coloriram com
giz de cera.
- Contamos a quantidade de dedos e de círculos e comparamos o tamanho dos dois.
14 - Propor uma brincadeira que ressalte a importância de uma ou mais partes do corpo.
- Fizemos a brincadeira da cobra cega. A criança que ficava com a venda sobre os olhos tinha que identificar o amigo encontrado, usando o tato. Algumas conseguiram, outras não.
15 - Apresentar cartazes ou livros que mostrem os órgãos dos sentidos e conversar sobre eles.
- Coloquei na lousa vários cartazes (confeccionado com fotos de revistas) destacando os órgãos dos sentidos. Falamos sobre a importância de cada um e sua utilidade.
16 – Fazer a experiência do paladar e olfato. Dar alguns alimentos para as crianças provarem e sentir o cheiro. Não dizer o que são, deixando-as os identificarem.
- Dei para provarem açúcar, sal, chocolate e pó de café. O Caio recusou-se a provar no início, só provou o chocolate quando as crianças já o tinham identificado., dizendo que era gostoso e que queriam mais .
Nesta atividade também puderam perceber que é pela língua que sentimos os sabores ( doce , salgado, amargo e azedo). Depois elas sentiram o cheiro das substâncias e as identificaram pelo olfato.
Falamos também da importância da língua para falar e comer (ajudar a engolir os alimentos).
Um dos cartazes mostrava um menino sorrindo onde se percebia a troca da dentição, a falta de alguns dentes de leite. Conversamos sobre eles, suas funções (cortar, furar e amassar), os tipos ( leite e permanentes) e o cuidado que devemos ter para conservá-los
17- Representar através do desenho uma criança sorrindo, evidenciando os dentes.
- As crianças desenharam o rosto de uma criança e nele a boca mostrando os dentes.
18 – Pesquisar em revista fotos de pessoas onde se vê os dentes sadios.
- Todos conseguiram encontrar as fotos. Eles recortaram e colaram.
19 - Pedir as crianças, para identificarem no ambiente diferentes sons. Propor que tampem os ouvidos para perceber a ausência do som. Apresentar objetos que produzem diferentes sons, deixando que identifiquem o som. (mostrar o objeto, só depois de ter produzido o som e eles terem ou não o identificado). Produzir sons com o corpo.(deixar que mostrem como podemos fazer).
- As crianças identificaram na sala o som do ventilador e o som de carros que passavam na rua. As crianças ouviram o som do coração do coleguinha. A turma foi dividida em duplas e um pode ouvir o coração do outro batendo. Produziram sons com: os pés, as mãos e a língua e identificaram o som de alguns objetos.
20 - Conversa informal sobre os alimentos importantes para a saúde e crescimento. Apresentar seqüência de figuras ( as fases da vida humana).
- Quando perguntei às crianças por que precisamos nos alimentar disseram “para ficar forte e crescer” . Perguntei também o que acontece se não nos alimentarmos mais e elas foram categóricas dizendo “ a gente morre”.
Fizemos uma lista de frutas, que são tão importantes para nossa saúde.
Disseram: LARANJA, MORANGO, BANANA, ABACAXI, MAÇÃ, LIMÃO, GOIABA, MARACUJÁ, MELÂNCIA.
21- Fazer recorte e colagem sobre a figura de um alimento.
- Entreguei às crianças a figura de um morango. Conversamos sobre a sua cor “ vermelha” . Depois as crianças recortaram papel vermelho com tesoura e colaram sobre a figura do morango.
22 - Desenhar alimentos oferecidos na escola.
- Foi oferecido “sucrilhos” dentro de pequenas tigelas. Aproveitamos para representar os conceitos cheio e vazio. Entreguei a eles uma folha de sulfite onde estavam desenhados dois círculos, representando as tigelas. Numa delas eles desenharam os “sucrilhos” ( cheia ), a outra deixaram sem desenhar, para indicar que estava vazia, e que o alimento já tinha sido todo consumido.
- As crianças desenharam “sucrilhos” dentro do círculo em forma de bolinhas. Alguns tiveram mais dificuldade para desenhar: Wesley e João Victor.
- Também desenharam uma laranja com giz de cera e coloriram com tinta guache amarela.
23– Mostrar figuras e livros, que mostrem a digestão dos alimentos no nosso corpo, os órgãos por onde passam e as transformações que eles sofrem.
- Mostrei um livro e cartazes sobre esse assunto, mas antes investiguei o que sabiam a respeito.
A maioria soube dizer que os alimentos iam para a barriga e estômago. Nada sabiam sobre os intestinos, mas conseguiram dizer no que os alimentos e líquidos são transformados quando não são mais necessários: em “cocô e xixi”.
Falamos sobre o papel dos dentes na digestão, a necessidade de mastigar bem e devagar.
Livros utilizados nessa atividade: “Ronque, Ronque”, “O sanduíche da galinha” e “Dentro da gente”.
24 – Mostrar cartazes com fotos de alimentos e pedir para que os identifiquem e digam suas origens.
- Das fotos não conseguiram dizer a origem do queijo e da farinha de trigo, mas acertaram a origem do leite, pão, ovo e suco de laranja.
As frutas e legumes disseram que eram de árvores. Fizemos então um passeio próximo ao solário e as crianças puderam ver uma abobreira com uma abóbora ainda pequena e puderam perceber quem nem todos alimentos vegetais são provenientes de árvores, alguns são de plantas rasteiras como a abóbora. Viram também um pé de acerola com flores e acerolas quase maduras, um pé de chuchu e uma goiabeira.
Acertaram quanto a origem do ovo, leite e pão.
25 – Pesquisar em revista fotos de alimentos, recortar com tesoura e colar em folha de sulfite.
- Todos conseguiram encontrar as fotos de alimentos. O Lucas é o que demora mais para executar as atividades.
26- Conversa sobre a higiene na manipulação dos alimentos, a lavagem das frutas e verduras antes de comê-las.
- Conversamos sobre o porquê de se lavar bem as frutas e verduras. As crianças disseram que “se não lavar comemos elas com bichinhos que nos deixam doentes”.
Falamos também sobre a importância da água, em todos os aspectos, pois dia 22/03 é “Dia Mundial da Água”.
Pedi às crianças para enumerar as variadas formas como utilizamos a água.
Disseram: Lavar roupa, lavar louça, beber, fazer comida, tomar banho, escovar os dentes, lavar as mãos e fazer suco.
O Mikéias foi quem mais participou com as respostas.
27 – Fazer uma pesquisa procurando fotos onde aparece a água.
Todos encontraram figuras. Acharam fotos do mar, de rio, piscina e banheira.
28 – Apresentação de cartazes sobre a Páscoa, destacando o chocolate usado para a confecção dos Ovos de Páscoa.
- Perguntei às crianças sobre a origem do chocolate e todos desconheciam. Desenhei e mostrei que é feito do fruto de uma árvore chamado cacau. Eles só conheciam a manteiga de cacau usada para proteção labial.
Contei a história do significado da Páscoa, a Paixão e Ressurreição de Cristo ( adaptação ).
Conversamos sobre os símbolos da Páscoa: os ovos de chocolate, o coelho, e o girassol.
29 – Fazer atividades gráficas referente ao tema Páscoa:
a- Desenhar o ovo de Páscoa.
b- Recortar com tesoura papéis coloridos e colar dentro da figura de um Ovo de Páscoa.
- Primeiramente antes de desenhar o ovo comparamos a sua forma com a de uma bola. As crianças perceberam que a bola tem a forma circular e o ovo é diferente desta, tem a forma oval. Na hora de desenhar a maioria soube bem representar esse aspecto.
30- Propor uma experiência utilizando a água para que percebam suas características.
- Comecei a atividade, perguntando às crianças qual era a cor da água. Alguns disseram que era branca e outros que era azul.
Pedi à uma das crianças que trouxesse um copo d´ água, para que pudéssemos observá-la. Todos a olharam e cheiraram. Mergulhei um pincel nela e passei sobre um pedaço de cartolina rosa, para que vissem a cor da água. Depois fiz o mesmo com a tinta azul e com a branca.
As crianças compararam e a Gabriela chegou a conclusão que a água era transparente, pois no papel rosa a pincelada d´água não ficou marcada com nenhuma cor e conforme foi secando sumiu. Também deixei que todos a cheirassem.
Aproveitando a água e as tintas, mostrei como a água “que não tem cor e nem cheiro”, pode ficar colorida e ter cheiro, se acrescentarmos à ela uma substância com cor e cheiro, neste caso a tinta. Primeiro adicionei a tinta branca e depois a azul. Todos viram e cheiraram novamente.
31- Fazer uma atividade gráfica utilizando a água colorida.
- Fizemos a pintura assoprada. Nesta atividade é colocada sobre a folha de papel 40 k um pouco da água colorida e as crianças devem esparramá-la apenas assoprando sem tocá-la com as mãos. Essa pintura deixa como resultado uma figura única e cuja forma, pode lembrar formas de animais, plantas etc. Alguns tiveram um pouco de dificuldade para assoprar.
32 – Levantar questões sobre a água, deixando expressarem-se livremente .
- Como a água chega à nossa casa?
“ Vem pelo cano.”
- De onde ela vem?
“ Vem do rio.”
- Como é a água?
“ É mole, macia e quando vira gelo fica dura.”
- De onde vem a água da chuva?
“ Vem do céu , da nuvem.”
- Onde encontramos água na nossa casa?
“ Na torneira da pia, no galão, no chuveiro, na privada, no tanque e no filtro”.
Embora a linguagem seja simples e nem sempre o termo usado seja correto, já conseguem expressar bem os conhecimentos que possuem.
33 – Atividade gráfica – Colorir a figura de uma torneira e representar a água com papel recortado com tesoura (pedaços bem pequenos). Conversar, sobre o uso correto da torneira enquanto escovamos os dentes, a fim de evitar o desperdício.
- Todos sabem usar a tesoura. O Caio e o Lucas foram os que mais demoraram na execução dessa atividade.
34 – Contar histórias que abordem o assunto ÁGUA.
- Contei as histórias: “A Baleia” (Cláudio Feldman), “O Barco” ( Mary França e Eliardo França) e “A gotinha perdida” ( Rosmari).
Utilizando as histórias fizemos comparações entre a água do mar e a água do rio. As crianças apontaram como diferenças entre elas: que a do mar é salgada e que é maior.
E também puderam perceber através da contação que a água (passa do estado líquido para o gasoso) vira uma fumacinha quando esquenta e some ( evapora ). Relembrei a pincelada de água que depois secou.
35 - Cantar algumas músicas que falam de água.
- Cantamos : “A biquinha”, “A canoa virou”, e “ Os indiozinhos”.
36 - Atividade gráfica – Representar o mar e os peixes com giz de cal molhado em água e cola.
- As crianças passaram o giz de cal azul deitado sobre a folha de papel 40 k e depois desenharam peixinhos com outras cores.
37 – Brincando na areia com baldinhos e água.
- Livremente misturaram água e areia. Antes pedi para que colocassem as mãos nos dois elementos separados ( exploração sensorial) e depois elas fizeram o que queriam com a massa.

XI – BIBLIOGRAFIA:
- Livros infantis diversos.
- Crocker, Mark. Atlas do Corpo Humano, Scipione.

XII – CONCLUSÃO:
Percebi que depois desse projeto as crianças estão mais atentas e participativas. A turma é interessada, caprichosa e conseguiu realizar todas as atividades propostas. Elas reconhecem a maioria dos conceitos trabalhados, estão mais comunicativas e algumas que no início se recusavam a participar das atividades, hoje demonstram interesse e entusiasmo.




Projeto Páscoa




Justificativa: A Páscoa é uma data adorada pelas crianças, que esperam ansiosas pelo coelho e os ovos de chocolate.
Para que tudo tenha um sentido, realizo o projeto de uma páscoa cheia de símbolos, histórias, brincadeiras, arte e culinária.

Objetivo geral: Contribuir para que os alunos possam ampliar os conhecimentos acerca do significado da “Páscoa”.

Objetivos específicos:
· Conhecer o significado de “Páscoa”;
· Destacar os símbolos da Páscoa e o conceito de cada um;
· Vivenciar, valorizar e respeitar o verdadeiro sentido da Páscoa em sua vida;
· Estimular a imaginação e a dramatização das crianças;
· Promover e estimular a linguagem oral;
· Desenvolver atenção e coordenação motora fina e ampla;
· Recordar as cores através de jogos e brincadeiras;
· Relacionar os números com a quantidade.

Conteúdos:
Data comemorativa: Páscoa;
Afetividade e solidariedade;
· Motricidade fina e ampla;
· Expressão corporal;
· Expressões gráficas: desenho, pintura, alinhavo, montagem;
· Noções de cores – azul, amarelo e vermelho;
· Noção e visualização de quantidades - do número 1 ao número 3;
· Seriação;
· Historinhas;

Criatividade e dramatização.
Música e ritmo.

Metodologia:
Conversa informal diálogo e questionamento oral através de cartaz, figuras e relatos sobre o assunto;
Visualização dos símbolos da Páscoa através de fichas;
Músicas dramatizadas relacionada à Páscoa: Coelhinho da Páscoa, O coelhinho, A história da cabana, Coelhinho bossa nova.
Confecções de máscaras, cestinha, dedoches;
Confecção de um mural sobre a Páscoa;
· Grafismo – levar o coelho a sua toca, levar o coelho a sua cenoura;
· Alinhavo, colagem, pintura com tintas;
· História em seqüência;
· Quebra cabeça do coelho;
Historinhas: “O coelho que não era da Páscoa”,
Jogos com figuras e da memória;
· Atividades de rua: corrida do nariz, caça aos ovos, Hop... Hop... Coelhinho, coelho sai da toca, onde estão os ovinhos, O coelho da Páscoa disse... , Ovo choco;
· Pintura facial;
· A procura do ninho.

Culminância: pintura facial e a procura dos ninhos, que estarão espalhados pelo pátio.

Avaliação: Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora.


DIPLOMA DO PROJETO PÁSCOA
Posted: 18 Feb 2013 07:49 PM PST



















TEATRO
VIVINHO O COELHO QUE NÃO QUERIA SER DA PÁSCOA
( COMEÇA COM A MÃE DE AVENTAL, E TOUCA FAZENDO DOCES PARA A PÁSCOA NUM PANELÃO ENORME E CANTANDO: “COELHINHO DA PÁSCOA QUE TRAZES PRA MIM....’, CHEGA O PAPAI COELHO, ENTRANDO PELA PORTA LATERAL, ARRUMANDO O BIGODE E FALA:

PAI: Quando chega a época da Páscoa fico tão contente, tantos doces para distribuir para as crianças...
MÃE: Também fico muito contente em ver a carinha de felicidade das crianças! ( VIRA-SE PARA A PLATÉIA E PERGUNTA: - vocês ficam felizes em receber ovos e chocolates na Páscoa?)
PAI: Vou chamar nossos filhos: Vivinho, Pedrinho, Joãozinho, Joaninha, Florzinha... venham se não vão se atrasar para a escola.
(OS COELHINHOS ENTRAM PELA PORTA DA FRENTE DO AUDITÓRIO E PASSAM SALTITANDO PELO CORREDOR NO MEIO DAS CRIANÇAS ATÉ O PALCO)
VIVINHO: Estamos prontos, nosso lanche já está preparado?
MÃE: Sim, peguem aqui e vão logo para não se atrasar. Cuidado com o comportamento! Menino mal comportado não ganha presente de Páscoa.
(OS COELHINHOS SAEM CANTANDO COM AS MUCHILAS NAS COSTAS EM DIREÇÃO A ESCOLA) ENQUANTO ISSO FECHA-SE AS CURTINAS, AO ABRI-LAS OS COELHINHOS ESTÃO CHEGANDO NA ESCOLA E SÃO RECEBIDOS PELO PROFESSOR ALEGREMANTE)
PROFESSOR: Boa tarde crianças! Sentem-se temos algo importante para conversar, hoje.
FLORZINHA: ( LEVANTA-SE E VAI ATÉ A BEIRA DO PALCO) Vocês sabem o que ele quer conversar conosco?
PROFESSOR: Sente-se Vivinho! Bem, como estamos na época da Páscoa vamos falar de profissões. O que vocês pretendem ser quando crescerem?
PEDRINHO: Eu quero ser coelho da Páscoa como meu pai.
JOÃOZINHO: Ah! Eu quero ser como meu bisavô, entregar os presentes das crianças rapidamente.
JOANINHA E FLORZINHA: (FALAM JUNTAS) Eu quero ser doceira como mamãe.
PROFESSOR: ( CHEGANDO PERTO DE VIVINHO QUE ESTÁ CALADO E ENCOLHIDO NA CLASSE) E você Vivinho o que quer ser quando crescer? Com certeza um ótimo coelho de Páscoa também?
VIVINHO: Não! Eu não quero ser coelho da Páscoa... não quero! (FALA COM ÊNFASE)
PROFESSOR: (GAGUEJANDO) Co..mo? Você não quer ser coeee...lho de... (DESMAIA)
(OS ALUNOS SOCORREM O PROFESSOR ENQUANTO ABANAM ELE, UM DELES DIRIGE-SE À PLATÉIA)
FLORZINHA: Vocês viram o que este maluco pensa? Imaginem se não tivesse coelho para entregar os presentes de vocês?Vocês iam ficar sem ovos... chocolates.... presentes...Imaginem que Páscoa triste! ( VOLTA PARA SEU LUGAR)
PROFESSOR: (JÁ REFEITO DO SUSTO) Mas porque você não quer ser coelho da Páscoa também?É tradição da tua família há séculos!
VIVINHO: Ora! Por que é o coelho que tem que distribuir os ovos de Páscoa se nem ovos ele bota? (FALA COM A PLATÉIA) – Vocês não querem ovos de chocolate, presentes nesta Páscoa, não é mesmo?
PROFESSOR: ( ACALMA A PLATÉIA) Calma, crianças! Vou contar uma linda história para vocês, sentem-se e escutem.
Tudo começou há muitos anos atrás quando menino Jesus era uma criança igual a vocês... perto da casa dele havia uma palmeira e nela um ninho de passarinho com três ovinhos. Todos os dias o menino Jesus ficava olhando feliz a avezinha.
Mas... numa bela manhã Jesus acordou ouvindo o passarinho piar aflito. Que seria? Pois é... a malvada raposa roubara os ovos do ninho.
O menino Jesus ficou triste e começou a chorar. Nisso passou um gato. Viu Jesus chorando e perguntou:
- Por que choras Jesus?
- A raposa roubou os ovos do passarinho!
- Miau...miau.. nada posso fazer – e lá se foi.
Abanando a cauda chegou um cachorro:
_ Au...Au...por que choras?
Jesus respondeu:
- Levaram os ovos do passarinho! Ajude-me a encontrá-los?
- Au..Au, que pena!
E foi embora. Então ... aos pulinhos apareceu um coelhinho, parou e perguntou curioso:
- Por que choras meu Jesus?
- Levaram os ovos o passarinho.
O coelho abaixou uma orelha ... pensou e disse:
-N ao chores mais, vou procurar os ovinhos!
E pulando desapareceu à procura da raposa:
- Raposa – disse o coelho – vim buscar os ovos do passarinho que você roubou.
- Ora essa! Meus filhos já comeram. E bateu com a porta na cara do coelho.
O coelho baixou as orelhas triste, mas logo teve uma brilhante ideia. Visitou três passarinhos e pediu um ovinho para cada um. Muito contente voltou à casa de Jesus, arrumou os ovinhos num cestinho e devolveu ao passarinho.
Jesus enxugou as lágrimas e disse:
- Só tu, coelhinho, tiveste pena de mim e do passarinho! Pois de agora em diante, como recompensa, levarás lindos ovos de chocolate às crianças boas e bem comportadas e fará isso todos os anos na época da Páscoa.
Por isso é que o coelho é o animal encarregado de entregar ovos às crianças do mundo inteiro.
(VIRA-SE PARA O COELHINHO E DIZ:)
-Viu que profissão mais bonita... (VIRA-SE PARA A PLATÉIA ) ...entregar ovos de chocolate a todas essa belas crianças?
(CHEGA A BEIRA DO PALCO E DIZ:)
PROFESSOR: Vamos pedir ao coelhinho Vivinho que mude de ideia e entregue os ovos e chocolate para vocês nessa Páscoa?
(ENTÃO INCENTIVA AS CRIANÇAS FAZEREM UM CORO DE VOZ PEDINDO AO COELHO)
- Entrega... entrega...entrega
( O PROFESSOR ACALMA AS CRIANÇAS E DIZ:)
PROFESSOR: Façam silêncio! O Vivinho que falar com vocês.
VIVINHO: Ok! Vocês me convenceram, comportem-se, estudem bastante... faça a parte de vocês, que eu prometo levar belos e gostosos ovos a todos nesta Páscoa. Tchau... até a Páscoa.
(FECHAM AS CORTINAS E OS COELHINHOS TODOS CANTAM BEM ALTO: coelhinho da páscoa que trazes pra mim...)




PrOjeto Descobrindo as letras do meu nome
Modalidade / Nível de Ensino
Componente Curricular
Tema
Educação Infantil
Movimento
Expressividade
Educação Infantil
Linguagem oral e escrita
Práticas de escrita
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
Com esta atividade, propõe-se que a criança:
- Explore e Identifique a(s) primeira(s) letra(s) do seu nome;
- Desperte a curiosidade em conhecer o próprio nome;
- Explore a estrutura gráfica das letras;
- Nomeie as letras de seu nome e dos colegas.
Duração das atividades
100 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
É importante já ter explorado as primeiras letras do nome de cada criança.
Estratégias e recursos da aula
Elaboramos a aula em questão, para uma turma de 1º período da Educação Infantil. Nesta fase é de extrema importância que a criança identifique o seu nome e se interesse em conhecê-lo.
1º Momento: As crianças terão colada(s) às suas costas, pela professora, a(s) letra(s) inicial(is) de seu nome. Ao sinal da professora as crianças irão se movimentar pelo espaço e procurar em qual colega está(ao) a(s) sua(s) letra(s). Ao encontrarem a(s) letra(s) deverão retirá-la(s) e colá-la(s) no peito. Ao final da brincadeira, as crianças poderão consultar as fichas de seus nomes e conferir juntamente com a professora e a turma se a(s) letra(s) está(ao) correta(s). Caso a escolha não esteja correta, a(s) letra(s) deverá(ao) ser fixada(s) em um quadro para que as demais crianças que perceberem que sua(s) letra(s) não esteja(m) correta(s) possam realizar a substituição das mesmas.
2º Momento: Após a brincadeira com as letras dos nomes, as crianças poderão colar as letras no caderno e decorarem com os materiais previamente disponibilizados. A professora tentará disponibilizar diferentes tipos de materiais( feltro cortado, eva cortado, papel crepom, papel filipinho cortado, lantejoulas, tecido cortado, etc) a fim de que a criança possa personalizar a(s) letra(s) inicial(ais) do seu nome.
3º Momento:
Ao término da atividade monte uma exposição em sala para socializar as diferentes produções e assim valorizar o trabalho realizado pelas crianças.
Avaliação
A professora realizará as seguintes observações:
• A criança sentiu-se motivada em participar da brincadeira;
• A criança conseguiu identificar a(s) sua(s) letra(s);
• A criança soube dizer o nome da(s) letra(s) identificada(s);
• A criança demonstrou interagir com a(s) letra(s) no momento de personalização da(s) mesma(s);
• A criança foi capaz de reconhecer a(s) sua(s) letra(s) nos nomes dos colegas.
 
Ao final da atividade o professor/a e os alunos realizam uma avaliação coletiva, tentando destacar a opinião do grupo sobre a atividade, ressaltando pontos positivos e negativos.




















Atividades e Jogos Trabalhando o Nome

http://bp2.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R5469fPF_AI/AAAAAAAADj4/hJ8yb1LX0iI/s400/483b.pngWWW.profgege.blogspot
História do nome:

- Objetivo: Conhecer a origem do seu nome.
- Material: Folhas de papel ofício.
- Procedimento:
Propor às crianças que façam uma entrevista com os seus pais, procurando saber qual a origem dos seus nomes.
Montar com os alunos uma ficha para auxiliá-los na entrevista, incluindo perguntas tais como:
 
- Quem escolheu meu nome? 
- Por que me chamo...? O que significa... ?
Combinar com a turma o dia do relato e como ele será. (A escolha do professor)
- Sugestão de Atividade:
 
Contar a história do seu nome aprendida com a entrevista e ilustrá-la.
- Interessante:
 
Em papel pardo o professor poderá registrar o nome de todos e uma síntese da origem do mesmo e fixar no mural.
- Observações:
 
Todos deverão trazer a entrevista no dia marcado, oportunizando o desenvolvimento da responsabilidade desde pequenos, e, caso isso não aconteça, o professor deverá estar preparado e saber qual atitude tomar frente a este problema.

http://bp0.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R5469_PF_DI/AAAAAAAADkQ/HLDg0l-cD9Y/s400/cc19kidval7a17161619.gif
Fichário:
- Objetivo: Conhecer a escrita do seu nome com diferentes formas gráficas.
- Material Necessário: Fichas do mesmo tamanho e formato e uma caixa de sapatos.
- Procedimentos:
Montar na sala de aula um fichário com cartões que apresentem diferentes formas de escrita do nome próprio: Com letra de imprensa maiúscula, letra de imprensa minúscula, letra cursiva. Deixando claro à criança que existem diferentes maneiras para escrever o seu nome, mas todas querem dizer a mesma coisa.
Combinar com a turma o momento e o modo como deverão utilizar as fichas. (De acordo com o professor)
– Pode ter em cada ficha uma foto 3x4 da criança.
- Sugestão de Atividades:
Identificar o nome
Escrever o nome.
http://bp1.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R546-PPF_EI/AAAAAAAADkY/df6dMe0-K3c/s400/escola1.jpgLista de Palavras:
- Objetivo: Identificar em diferentes palavras a letra inicial do seu nome.
- Materiais: Tesoura, Revistas, Jornais, Folhetos, Cola, Folhas de ofício.
- Procedimentos:
Explorar com a classe a letra inicial do nome.
Listar outras palavras que também iniciem com aquela letra.
Propor que pesquisem em jornais, revistas e folhetos outras palavras que também iniciem com a letra do seu nome.
Recortar e colar as palavras em folhas de ofício.
Ler com a turma as palavras encontradas e juntos procurar o significado.
- Sugestão de Avaliação:
 Reconhecer, em lista de palavras, aquelas com a letra que inicia o seu nome.
- Observações:
 
O professor pode propor à turma que cada dia um traga de casa uma palavra que inicie com a letra do seu nome e em aula encontrem o significado. Este tipo de atividade desperta no aluno um interesse maior pela pesquisa e aumento do vocabulário.


http://bp0.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R55PL_PF_JI/AAAAAAAADlY/YrtkxhCpO0A/s400/amigos17.gif
Letras Móveis:
- Objetivo: Conhecer as letras e escrever seu nome através de brincadeira.
- Material: Letras móveis que podem ser de madeira, EVA, papelão e etc...
- Procedimentos:
Deixar expostas na sala as letras para haver um contato maior por parte das crianças com o material.
Propor que, em diferentes momentos de aula, as crianças utilizem as letras para a tentativa da escrita de seus nomes.
- Sugestão de Avaliação:
 
Escrever seu nome numa brincadeira.
- Observações:
Este material permite à criança fazer uma correspondência de letras, posição e ordenação das mesmas.
Se as letras forem de papel ou papelão, seria interessante que as crianças ajudassem na confecção do próprio material, orientadas pelo professor.

http://bp2.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R55PMfPF_KI/AAAAAAAADlg/mB37qOzxvEw/s400/doodleadulto10.gif
Bingo:
- Objetivo: Conhecer as letras que compõem a escrita de seu nome através do jogo.
- Materiais: Cartelas de cartolina ou papelão; tampinhas de garrafa ou pedrinhas para marcar as letras; folhas de desenho; fichinhas com as letras dos nomes; cola; papel colorido ( para fazer bolinhas de papel ) ou palitos de fósforo usados.
- Procedimento:
Cada criança receberá uma cartela com a escrita do seu nome.
O professor sorteará as letras, dizendo o nome de cada uma delas para que as crianças identifiquem-nas. Cada letra sorteada deverá ser marcada na cartela caso haja no seu nome. Assim que a cartela for preenchida o aluno deve gritar: BINGO!
Logo que terminarem o jogo, será proposto um relatório realizado individualmente, com a distribuição de fichinhas com as letras do nome (Uma ficha para cada letra) entregues fora de ordem.
As crianças deverão ordenar as fichas, compondo o seu nome, e colocá-las em uma folha de ofício.
A professora pede que contem quantas letras há na escrita dos eu nome e propõe que colem a quantidade representativa em palitos de fósforos ou bolinhas de papel, na folha.
- Sugestão de Avaliação:
 Reconhecer em fichinhas as letras que fazem parte da escrita do seu nome.
- Observação:
 
É interessante que se repita o jogo várias vezes no decorrer das atividades antes de se propor o relatório.
http://bp2.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R55PMfPF_LI/AAAAAAAADlo/j6mZaE-X2E4/s400/angel11.gif
Dança da Cadeira:
- Objetivo: Reconhecer a escrita de seu nome dentre a escrita dos nomes de todos os colegas.
- Materiais: Fichas com a escrita de todos os nomes (uma para cada nome) e cadeiras.
- Procedimentos:
O professor propõe às crianças que façam um círculo com as cadeiras.
Depois distribui as fichas com os nomes para que as crianças fixem as nas cadeiras.
Inicia-se a dança das cadeiras onde ao término da música cada um deverá sentar na cadeira onde consta a ficha com o seu nome.
- Sugestão de Avaliação:
Realizar a brincadeira diversas vezes sempre trocando as cadeiras de lugar.

http://bp2.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R55PLfPF_II/AAAAAAAADlQ/B7-E89e-Odg/s400/amigos13.gif
Corrida dos Balões:
- Objetivo: Escrever seu nome.
- Materiais: Balões numerados, fichas com número de acordo com os balões e com nomes e giz.
- Procedimentos:
Formar as crianças em duas filas.
Distribuir uma ficha com um número para cada criança.
Dado o sinal, uma de cada vez corre até os balões e estoura aquele que tiver o seu número. Dentro estará uma ficha escrita o seu nome.
A criança deverá ler em voz alta eu nome e reproduzi-lo no chão utilizando o giz
http://bp3.blogger.com/_Y5yNjmtQVpA/R5469vPF_CI/AAAAAAAADkI/huNl7SMXWMU/s400/cc3kid17.gif
Jogo dos Dados:
- Objetivos:
Integrar-se ao grupo, sabendo esperar sua vez de jogar.
Reconhecer as letras do seu nome.
Ordenar as letras que compõem seu nome.
- Materiais:
Tabuleiros com quadrinhos necessários para a escrita do nome em branco.
Dados com as letras dos nomes dos componentes do grupo.
Fichinhas com as letras.
- Procedimentos:
Distribuir os alunos em pequenos grupos.
Combinar com os grupos que apenas uma criança por vez jogará um dado, identificando qual a letra sorteada. Se esta fizer parte dos eu nome, deverá pegar a fichinha correspondente e colocá-la no tabuleiro.
- Sugestões de Avaliação:
Participar atentamente do jogo e identificar as letras do seu nome.



















http://2.bp.blogspot.com/_Wv5wybf5reU/StKIXXREMHI/AAAAAAAAAf4/wX97dJpEqpc/s400/8f1b34a9a9.png


80 ATIVIDADES COM NOMES

O trabalho com nome propicia ao aluno:
Diferenciar letras e desenhos; 
Diferenciar letras e números;
 
Diferenciar letras, umas das outras;
 
Refletir sobre a quantidade de letras usadas para escrever cada nome;
 
Refletir sobre a função da escrita dos nomes: para marcar trabalhos, identificar materiais, registrar a presença na sala de aula (função de memória da escrita) etc;
 
Sistematizar a orientação da escrita: da esquerda para a direita;
 
Entender que se escreve para resolver alguns problemas práticos;
 
Conhecer o nome das letras;
 
Ter contato com amplo repertório de letras (a diversidade e a quantidade de nomes numa mesma sala);
Desenvolver as habilidades grafo-motoras;
 
Contato com fonte de consulta para escrever outras palavras.
 
O desenvolvimento das atividades seguintes deve orientar-se no sentido de despertar na criança a curiosidade e o desejo de conhecer o significado da palavra escrita e a compreensão do seu uso social.
 

ATIVIDADES COM O NOME
 
1. Achar o seu crachá que estará embaralhado no meio da roda e colocar no quadro de pregas de letras de acordo com a inicial do nome, os crachás restantes deverão ser contados, pois são os alunos ausentes.
 
2. Batata - Quente, onde todos em roda ouvem uma música, enquanto vai passando um objeto qualquer, ao parar a música quem estiver com o objeto deverá dizer o seu nome, pegar o seu crachá no meio da roda, identificando-o dentre os demais e guardá-lo no quadro de pregas, na respectiva inicial;
3. Todos em roda, em pé, recebem um crachá qualquer, ao sinal da professora cada um deverá ir em busca de quem está com o seu crachá, ao encontrar troque de crachá e coloque-o no quadro de pregas;
 
4. Escolher no meio da roda um crachá de um amigo e entregá-lo ao seu dono que deverá guardá-lo no quadro de pregas;
5. Cada um ao chegar, deverá localizar o seu crachá na mesa, escrever seu nome na lousa e guardar o crachá no quadro de pregas, contaremos quantas crianças vieram e quantas faltaram;
 
6. Cada um deverá pegar o seu crachá que estará no meio da roda, então cada um contará a quantidade de letras que tem o seu nome e deverá encontrar amigos que tem a mesma quantidade de letras, os crachás serão guardados na ordem crescente da quantidade de letras, isto é, do nome menor para o maior;
 
7. Cada um pega o seu crachá no quadro de pregas e andam aleatoriamente pela sala. Ao sinal da professora, deverão fazer uma cobra colocando os crachás em ordem alfabética observando a letra inicial, falar onde mais usamos esta ordem (agenda telefônica, dicionário, lista da escola, etc.);
 
8. Utilizar crachás para fazer uma lista fixa de nomes, dentro da sala, em ordem alfabética, onde cada um colará o seu nome;
 
9. Bingo - utilizar o crachá para brincar bingo, de forma que cada aluno recebe uma tira quadriculada de papel de acordo com a quantidade de letras que diz ter o seu nome, registra o mesmo com uma letra em cada quadrado. Na hora do bingo ao ser sorteada sua letra, este quadrado deverá ser pintado;
 
10. Bingo com cartelas contendo mais de um nome;
 
11. Brincar de forca com os nomes, de forma que a criança que descobrir qual é o nome da forca, pega o crachá e entrega-o ao dono, se ninguém descobrir, o próprio dono pega e guarda o crachá no quadro de pregas;
 
12. Brincar de Amigo Secreto, onde cada um faz um desenho ou uma modelagem de massinha e sorteia um crachá com o nome de quem ganhará o seu presente;
 
13. Que nome é esse? É uma brincadeira onde a professora ou um aluno diz: "Te dou um C, te dou um A, te dou um I, te dou um O, o que formou?" A turma deverá responder: CAIO. Este rapidamente pega seu crachá e guarda no bolsão de letras, podendo ser o próximo a cantar as letras do próximo nome;
 
14. Utilizar os crachás para sorteios de ajudantes, etc.;
 
15. As crianças receberão as letras do seu nome e deverão juntá-lo como um quebra-cabeça montando assim os seus nomes;
 
16. Adivinhe o nome é uma brincadeira desafiadora em que o professor pronuncia os nomes das crianças com as sílabas ou letras trocadas e o grupo deverá descobrir de quem é o nome. Ex.: LARCOS = CARLOS;
 
17. Descobrir a letra que está faltando no nome que a professora ou outro aluno escreverá na lousa, ao descobrirem o dono do nome identifica e guarda o seu crachá que estará em uma mesa junto aos demais crachás;
 
18. Com a música: A Canoa virou... , em roda ao falarem o nome da criança esta deverá pegar o seu crachá no centro da roda e colocá-lo no bolsão de letras;
 
19. Todos os dias ao fazer a data e a rotina do dia a professora escreve bom dia para uma criança e todos poderão abraçá-la, esta escolha pode ser por ordem alfabética, sorteio, música, aniversariantes, etc.;
 
20. Chamada na roda, através de um círculo, onde uma criança fica no meio da roda com uma bola ou outro objeto, esta deverá dizer o seu nome e jogar a bola para outra criança que trocará de lugar com ela e repetirá o procedimento;
 
21. Agarre o par é uma brincadeira em que todos deverão estar em pares. A professora estará segurando um objeto e contará até três, então todos mudam de par e ela passa o objeto para alguém dizendo o seu nome e procura um par também. Quem ficou com o objeto será o próximo a contar e procurar um par durante a troca passando novamente o objeto, e assim sucessivamente;
 
22. Ao chegar cada criança deverá localizar seu nome na lousa e apagá-lo, os que sobrarem serão os ausentes;
 
23. Arremessando a bola para o alto no meio da roda uma criança deverá dizer o nome de um dos colegas, este tentará pegar a bola, se conseguir repete o procedimento, se não conseguir a mesma criança que iniciou escolhe outro colega;
 
24. "BrinCar de rimar outras palavras com os nomes das crianças e registrá-las na presença delas. M- Montar uma poesia com as rimas encontradas, digitar e entregar uma para cada criança, para que seja lida no coletivo, depois cada um encontra seu nome e circula. Poderão recitar para as demais turmas e dar de presente para outras pessoas com seus autógrafos;
 
25. Descobrir juntos todas as versões da música: "A Barata diz que tem...", então reescrevê-la, com o auxílio das crianças, trocando o nome barata pelos seus nomes, e posteriormente, trocar as outras palavras também. Digitar e entregar uma para cada criança, para que seja lida no coletivo, depois cada um encontra seu nome e circula. Poderão cantar ou recitar para as demais turmas e dar de presente para as outras pessoas com seus autógrafos.
26. Solicitar uma foto e uma pesquisa sobre a história do nome de cada um e lê-Ia na roda. Digitar estas pesquisas e fazer fichas que deverão ficar no cantinho da leitura com a foto colada, para que manuseiem e leiam quando quiserem.
 
27. Fazer um desenho de interferência com cada letra do nome começando da inicial, para a montagem de um livrinho;
 
28. Montar um painel com as fotos de todos os alunos inclusive da professora com seus respectivos nomes.
 
29. Montar um álbum sanfonado com a história do nome, características físicas e pessoais, fotos próprias e de familiares, este poderá ser um produto final de encerramento de projeto referente ao trabalho com a identidade.
 
30. Ditado: Entregue uma lista com todos os nomes dos alunos. Dite um nome da lista. Cada aluno deverá encontrá-lo na sua lista. Em seguida, peça a um aluno que escreva aquele nome na lousa, os demais devem conferir se circularam o nome certo. Para que essa atividade seja possível a todos é importante fornecer algumas ajudas. Diga a quantidade de letras, a letra inicial e final, por exemplo.
 
31. Entregue uma lista dos nomes dos alunos da sala. Peça que as crianças digam os nomes dos alunos ausentes e que circulem esses nomes. Siga as mesmas orientações da atividade anterior, no tocante às ajudas necessárias para a realização da tarefa.
 
32. Entregue uma lista com os nomes dos alunos. Peça para que recortem os nomes e depois que separarem em duas colunas: nomes das meninas e nomes dos meninos ou que os coloquem em ordem alfabética.
 
33. Pesquisa sobre a origem do nome (pesquisa com os familiares);
 
34. Análise da certidão de nascimento da criança (trabalho com documento)
 
35. Montagem de uma árvore genealógica da família.
 
36. Análise de fotos antigas e atuais da criança.
 
37. Montagem de uma linha do tempo do aluno a partir das fotos trazidas
 
38. Letras do alfabeto: letras do alfabeto pintadas e recortadas em cartolina, isopor, EV A ou outro material. Divida a classe em grupo, sorteie algumas letras para cada grupo que deverá falar o maior número possível de palavras que comecem com aquela letra. O professor escreve todas elas em um cartaz e fixa na parede para que possam consultar quando necessário já que fazem parte do vocabulário ativo da classe.
 
39. Alfabeto ilustrado: sortear uma letra para cada aluno e pedir que desenhem ou colem uma figura cujo nome comece com aquela letra. Esse material deverá ficar a disposição dos alunos durante o ano.
 
40. Pedir para que tragam um objeto de casa. Na classe, o grupo classifica segundo a letra inicial. É feito uma lista com as palavras. Algumas palavras poderão ser copiadas no caderno.
 
41. Listagem: elaborar com os alunos várias listas: roupas, compras de supermercado, animais, produtos de higiene, meios de transporte, nomes de cidade, etc. Reconstruir na lousa algumas palavras perguntado aos alunos quais letras devem ser usadas. As listas ficam a disposição dos alunos para futuras consultas.
 
42. O professor faz um quadriculado numa Carolina ou sulfite escrevendo uma letra em cada quadrado. O aluno desenhará ou colará uma figura que inicie com aquelas letras ou que tenham aquelas letras no nome (destacando-a na palavra).
 
43. Quebra cabeça - o professor faz um quebra cabeça com as letras do nome do aluno. Mais tarde poderá fazer com outras palavras;
 
44. Caixa surpresa - o professor, ao final da aula entrega uma caixa a um aluno pedindo a ele que traga um objeto qualquer, de sua casa para a aula do dia seguinte. Na próxima aula ele dará dicas aos colegas que tentarão adivinhar qual o objeto que está na caixa.
 
45. Chamar o aluno entregando seu cartão;
 
46. Chamar o aluno pelo nome e mostrar o cartão para a classe;
 
47. Mostrar o cartão sem falar o nome esperando que o dono ou algum colega o reconheça;
 
48. Mostrar o cartão sem ler, mas dando uma característica do dono. Os alunos devem identificar quem é.
 
49. Embaralhar os cartões, entregar um para cada aluno e pedir que cada um procure o seu;
 
50. Embaralhar os cartões, entregar um para cada aluno que deverá entregar ao dono;
51. Dispor os cartões sobre uma mesa e pedir que cada u,m pegue o seu;
 
52. Separar os cartões por fileira. Colocar o monte de cartões referentes a cada fila na primeira carteira. O aluno deverá pegar seu cartão passando os demais para trás até que todos peguem o seu;
 
53. Deixar os cartões sobre uma mesa e pedir que, um por um, pegue um cartão que não seja o seu e entregue ao dono;
 
54. Dividir a classe em grupos e pedir que cada um pegue seu cartão. Vence o grupo onde todos pegaram seus cartões mais rapidamente;
 
55. Entregar os cartões e disponibilizar letras recortadas pedindo que cubram as letras de seu cartão com essas letras móveis;
 
56. Passar o dedo sobre as letras;
 
57. Contar as letras do nome;
 
58. O professor escreve o nome de todos os alunos na lousa e eles, de posse de seu cartão deverá descobrir onde está escrito seu nome;
 
59. Separar os cartões pelo número de letras e pedir que descubram qual o critério que o professor usou; (letra inicial; letra final, etc)
 
60. Separar 3 cartões, mostrar e ler para a classe. Misturá-los e retirar um. Os alunos deverão descobrir qual o cartão que foi retirado. O dono do nome deverá escrevê-lo na lousa e seus colegas copiam no caderno;
 
61. Separar os cartões dos alunos que faltaram naquele dia.
 
62. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, pintar de amarelo o quadrado ou retângulo com seu nome;
 
63. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, pintar de azul o nome da professora;
 
64. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, pintar de vermelho o nome do amigo mais próximo, ou que comece com determinada letra, ou que termine, ou que tenha um número X de letras...
 
65. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, cobrir as letras de seu nome com a cor que quiser;
 
66. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, circular a 18 letra de seu nome, ou a última, ou outra que a professora pedir;
 
67. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, circular as letras iniciais de cada nome.
 
68. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, pintar de laranja o nome do amigo que senta à sua esquerda, de verde o que senta à direita (á frente, atrás);
 
69. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, recortar os nomes e colá-los em fileiras de acordo com o numero de letras. Contar quantos nomes há em cada fileira anotando o numeral.
 
70. Numa folha mimeografada, quadriculada com um nome dentro de cada quadrado, recortar os nomes e organizar em conjuntos baseando-se em critérios dados pela professora:
 
Nomes com 5 letras;
 
Nome dos alunos de uma determinada fileira;
 
Nomes dos homens;
 
Nomes das mulheres;
 
Nomes com mais de 6 letras;
 
Nomes com menos de 5 letras;
 
Nomes iguais;
Nomes com 6 letras que comece com a letra R. etc 
71. O professor deve ainda selecionar situações em que se faz necessário escrever e ler nomes (função social da escrita):
 
72. Escrever o nome de colegas para identificar papéis, cadernos, desenhos (pedir que os alunos distribuam tentando ler os nomes).
 
73. Lista de chamada da classe.
 
74. Ler cartões com nomes para saber em que lugar cada um deve sentar; para saber, quem são os ajudantes do dia, etc.
 
75. Escrever bilhetes assinando-os;
 
76. Escrever cartas assinando-as e escrevendo o nome do destinatário e remetente no envelope.
 
77. Brincar de "banco", assinando cheques e documentos;
 
78. Elaborar uma carteira de identidade;
 
79. Pedir xerox da certidão de nascimento reproduzindo-a.
 
80. Montar acrósticos.



SEQÜÊNCIA DE ATIVIDADES NOMES

TÍTULO:Nomes
EIXO: Linguagem oral e escrita.
TEMPO PREVISTO:1º e 2º semestre.
BLOCOS DE CONTEÚDOS:Práticas de leitura.(escrita do próprio nome em situações nas quais se faz necessário)
OBJETIVOS:Reconhecer seu nome escrito, sabendo identificá-lo nas diversas situações do cotidiano.
PUBLICO ALVO:JARDIM I
ETAPAS PREVISTA:
Hora do canto
Pesquisa dos nomes.
Trabalhar letras iguais.
Trabalhar crachás.
HORA DO CANTO:
→ Em roda cantando esta música passando uma bola.
A -----vai passando vai passando sem demora
Vai ___________diga seu nome agora.
→ Em circulo todos cantando está música na classe.
Fui andando por um caminho
Encontrei a ( mostrarei o crachá)
Segue um aluno falando.
A Tânia não encontrei
Encontrei o André.
Cada criança ao ser enunciada irá se colocando em uma roda.
→ Brincando de roda no pátio.
A canoa virou
Pois deixaram ela virar
Foi por causa de _______
Que não soube remar.
Siriri pra cá.siriri pra lá
A _______é velha e não quis casar.
→ Em roda no pátio
Se eu fosse um peixinho e soubesse a nadar
Eu tirava ____________ do fundo do mar.
Colocar todos os crachás no centro da roda
Falar o nome da criança ela irá procurar o seu crachá e depois sentar na roda.
→ Todos em roda sentados cantando esta música.
Casa do João na classe ou pátio
__________comeu pão na casa do João
Todos perguntam comeu?
A criança reponde Não?
Então quem foi?
Foi a (fulana)
→ No pátio.
Dança das cadeiras com o crachá em cima da cadeira, quando parar a música a criança deverá procurar o seu nome para sentar.
PESQUISA SOBRE NOME DE CADA UM.
Mandará uma pesquisa para casa
Mamãe porque você escolheu este nome?
Conversa informal:
Você sabe a história do seu nome?
Você gosta do seu nome?
Qual o nome que você gostaria de ter?
Alguém na sua família tem o mesmo nome que você?
Será que na classe alguém tem o mesmo nome que você?
O que aconteceria se todas as pessoas tivessem o mesmo nome?
Como fazemos para identificar as pessoas que tem o mesmo nome?
APÓS RECEBER AS PESQUISAS O PROFESSOR DEVE:
Ler todas as pesquisas em roda ressaltando o nome de cada criança.
Todos em circulo em silêncio ouvem a história do seu nome e do seu colega.
Após o relato cada aluno escreverá o seu nome na lousa. Professor escreverá o nome de cada um na lousa.
Fará uma comparação dos nomes escritos.

TRABALHANDO LETRAS IGUAIS:
→ Estimularem para que as crianças digam seus próprios nomes.(repita também os nomes dos colegas).
→ Montar um painel com os nomes das crianças.
→ Quais são os nomes iguais?
→ Lista de nomes de três crianças para que elas possam identificar o seu nome.
→ Escrever as iniciais na lousa e esperar que descubram o nome a ser escrito;
→ Escrever na lousa quatro nomes, mostrar as semelhanças dos nomes.
→ Quem tem nome com quatro letras?
→ Qual é o nome que começa com A?
→ Quantos pedaços têm seu nome?
TRABALHANDO CRACHÁS :
→ Confecção dos crachás em etiqueta auto-colante.(colar na blusa para identificação das crianças).
→ Chamada com apoio do crachá.
→ Colocar os crachás em um varal para que cada aluno pegue o seu.
→ Misturar os crachás para cada um identificar o seu.
→ Distribuir crachás trocados para que a criança identifique o seu nome.
→ Apresentação do crachá em roda, deixando-os adivinhar a quem pertence aquele nome, fornecendo algumas características da criança.
→ Colocar aleatoriamente o nome das crianças nas cadeiras e dizer às crianças que devem sentar onde está escrito o seu nome (variar o local nos outros dias).
→ Nomear objetos pessoais junto com a criança (escova de dente, cadernos)
→ Crachás ao centro da roda virados ao contrário, escolher um, apresentar e perguntar:
Quem é o dono deste nome?
O dono levanta, pega outro crachá podendo dar para a professora ou ter o mesmo procedimento.
→ Combinar com as crianças que vamos guardar nomes grandes numa caixa grande e pequeno em outra; depois que usarem, pedir que guarde na caixa certa, exemplo: nomes pequenos na caixa azul e os grandes sempre na amarela.
→ Oferecer as letras moveis ou massinha para que eles construam seus nomes.
→ Nome surpresa (escrever o nome da criança com giz de cera ou vela. Sugerir que a criança passe o “aguado” na folha; aparecerá o nome.
→ Pinte as letras do seu nome.
→ Desenhe você e circule as letras do se nome.
→ No dia do aniversariante faremos um cartão onde todos terão que escrever seu nome.
→ Ajudante do dia será escrito na lousa e os alunos terão que adivinhar quem será.
→ Bingo de nomes.
O nome de cada aluno escrito em uma ficha.
O professor tira uma letra de cada vez, de dentro do saquinho mostra à classe ao mesmo tempo em que fala o nome da letra.
As crianças vão marcando as letras que estiverem na sua cartela.
Termina o jogo quando todos tenham preenchido o seu nome.
AVALIAÇÃO:
Através das atividades proposta às crianças conseguiram reconhecer as letras do seu nome?
Houve participação dos alunos nas atividades propostas?
Conseguiram escrever seu nome com crachá?
Consegue escrever seu nome sem o crachá?
TRABALHAR COM NOMES PRÓPRIOS. PLANO DE AULA

 PÚBLICO ALVO: CRIANÇAS DE 4 A 6 ANOS.

Introdução 
Por que trabalhar com os nomes próprios? As crianças que estão se alfabetizando podem e devem aprender muitas coisas a partir de um trabalho intencional com os nomes próprios da classe.

Objetivos 
Estas atividades permitem às crianças as seguintes aprendizagens:
 
- Diferenciar letras e desenhos;
 
- Diferenciar letras e números;
 
- Diferenciar letras, umas das outras;
 
- A quantidade de letras usadas para escrever cada nome;
 
- Função da escrita dos nomes: para marcar trabalhos, identificar materiais, registrar a presença na sala de aula (função de memória da escrita) etc;
 
- Orientação da escrita: da esquerda para a direita;
 
- Que se escreve para resolver alguns problemas práticos;
 
- O nome das letras;
 
- Um amplo repertório de letras (a diversidade e a quantidade de nomes numa mesma sala);
 
- Habilidades grafo-motoras;
 
- Uma fonte de consulta para escrever outras palavras.
 

O nome próprio tem uma característica: é fixo, sempre igual. Uma vez aprendido, mesmo a criança com hipóteses não alfabéticas sobre a escrita não escreve seu próprio nome segundo suas suposições, mas, sim, respeitando as restrições do modelo apresentado. As atividades com os nomes próprios devem ser seqüenciadas para que possibilitem as aprendizagens mencionadas acima. Uma proposta significativa de alfabetização, aquela que visa formar leitores e escritores, e não mero decifradores do sistema, não pode pensar em atividades para nível 1, nível 2, nível 3...
 

É preciso considerar:
 
· Os conhecimentos prévios das crianças.
 
· O grau de habilidade no uso do sistema alfabético.
 
· As características concretas do grupo.
 
· As diferenças individuais.
 

Conteúdos 
Leitura e escrita de nomes próprios
 

Tempo estimado 
Um mês
 

Materiais necessários 
- Folhas de papel sulfite com os nomes das crianças da classe impressos
 
- Etiquetas de cartolina de 10cm x 6cm (para os crachás)
 
- Folhas de papel craft, cartolina ou sulfite A3
 

Organização da sala 

Cada tipo de atividade exige uma determinada organização:
 

- Atividades de identificação das situações de uso dos nomes: trabalho com a sala toda.
 
- Identificação do próprio nome: individual.
 
- Identificação de outros nomes: sala toda ou pequenos grupos.
 

Desenvolvimento das atividades 
1. Selecione situações em que se faz necessário escrever e ler nomes. Alguns exemplos: Escrever o nome de colegas para identificar papéis, cadernos, desenhos (pedir que as crianças distribuam tentando ler os nomes). Lista de chamada da classe. Ler cartões com nomes para saber em que lugar cada um deve sentar; para saber, quem são os ajudantes do dia, etc.
 

2. Peça a leitura e interpretação de nomes escritos.
 

3. Prepare oralmente a escrita: discuta com as crianças, se necessário, qual o nome a ser escrito dependendo da situação. Se for para identificar material da criança, use etiquetas; para lista de chamada use papel sulfite ou papel craft.
 

4. Seja bem claro nas recomendações: explicite o que deverá ser escrito, onde fazê-lo e como, que tipo de letra usar, etc
 

5. Peça a escrita dos nomes: com e sem modelo.

Objetivos
Ao final das atividades, a criança deve:
 

- Reconhecer as situações onde faz sentido utilizar nomes próprios: para etiquetar materiais, identificar pertences, registrar a presença em sala de aula (chamada), organizar listas de trabalho e brincadeiras, etc.
 
- Identificar a escrita do próprio nome.
 
- Escrever com e sem modelo o próprio nome.
 
- Ampliar o repertório de conhecimento de letras.
 
- Interpretar as escritas dos nomes dos colegas da turma.
 
- Utilizar o conhecimento sobre o próprio nome e o alheio para resolver outros problemas de escrita, tais como: quantas letras usar, quais letras, ordem da letras etc e interpretação de escritas.
 

Identificação de situações onde se faz necessário escrever e ler nomes. Aproveite todas as situações para problematizar a necessidade de escrever nomes. 

Situação 1- Recolhendo material. Questione as crianças como se pode fazer para que se saiba a quem pertence cada material. Ouça as sugestões. Distribua etiquetas para as crianças e peça que cada uma escreva seu nome na sua presença. Chame atenção para as letras usadas, a direção da escrita, a quantidade de letras, etc.
 

Situação 2 - Construindo um crachá. Questione as crianças como os professores podem fazer para saber o nome de todas nos primeiros dias de atividade. Ajude-as a concluir sobre a função do uso de crachás. Distribua cartões com a escrita do nome de cada uma que deverá ser copiado nos crachás. Priorize neste momento a escrita com a letra de imprensa maiúscula (mais fácil de reprodução pela criança). Solicite o uso do crachá diariamente.
 

Situação 3 - Fazendo a chamada Lance para a classe o problema: como podemos fazer para não esquecer quem falta na aula?
 

Observações: todas essas situações e outras têm como objetivo que as crianças recorram à escrita dos nomes como solução para problemas práticos do cotidiano. 

Identificação do próprio nome 

Dê para cada criança um cartão com o nome dela.
 
- Apresente uma lista com todos os nomes da classe. Escreva todos os nomes com letra de imprensa maiúscula. Nesse tipo de escrita, é mais fácil para a criança identificar os limites da letra, o que também deixa a grafia menos complicada.
 
- Peça que localizem na lista da sala o próprio nome. O cartaz com essa lista pode ser grande e ser fixado em local visível.
 
- Peça para cada um montar o próprio nome, usando letras móveis (que podem ser adquiridas ou confeccionadas).
 
- Inicialmente realize esta atividade a partir de um modelo (crachá com o nome) e depois sem modelo, usando o modelo para conferir a escrita produzida. Identificação de outros nomes da classe
 

Apresente uma lista com os nomes das crianças da classe. 

Cada criança poderá receber uma lista impressa ou colocar na classe uma lista grande confeccionada em papel craft. Você poderá, também, usar as duas listas: as individuais e a coletiva.
 

Atividade 1- Ditado
 
Dite um nome da lista. Cada criança deverá encontrá-lo na lista que tem em mãos e circulá-lo. Em seguida, peça a uma criança que escreva aquele nome na lousa. Peça a elas que confiram se circularam o nome certo. Para que essa atividade seja possível a todas é importante fornecer algumas ajudas. Diga a letra inicial e final, por exemplo.
 

Atividade 2 - Fazendo a chamada
 
Entregue a lista de chamada das crianças da sala. Peça que as crianças digam os nomes das crianças ausentes e que circulem esses nomes. Siga as mesmas orientações da atividade 1, no tocante às ajudas necessárias para a realização da tarefa.
 

Atividade 3 - Separando nomes de meninas e meninos
 
Apresente a lista da chamada da classe. Peça para as crianças separarem em duas colunas: nomes das meninas e nomes dos meninos.
 

Observação: em todas estas atividades é importante chamar a atenção para a ordem alfabética utilizada nas listas. Este conhecimento: nomeação das letras do alfabeto é importante para ajudar a criança a buscar a letra que necessita para escrever. Em geral as crianças chegam à escola sabendo "dizer" o alfabeto, ainda que não associando o nome da letra aos seus traçados. Aproveite esse conhecimento para que possam fazer a relação entre o nome da letra e o respectivo traçado. 

Avaliação 
É importante observar e registrar os avanços das crianças na aquisição do próprio nome e no reconhecimento dos outros nomes. Tratando-se de uma informação social - a escrita dos nomes -, é preciso observar se as crianças fazem uso dessa informação para escrever outras palavras. A escrita dos nomes é uma informação social, porque é uma aprendizagem não escolar. Dependendo da classe social de origem da criança, ele já entra na escola com este conhecimento: como se escreve o próprio nome e quais as situações sociais em que se usa a escrita do nome. Para crianças que não tiveram acesso a essa informação a escola deve cumprir esse papel.
 

Sugerimos uma planilha de observação de nove colunas, contendo os seguintes campos:
 

1. Nome da criança
 
2. Escreve sem modelo?
 
3. Usa grafias convencionais?
 
4. Utiliza a ordem das letras?
 
5. Conhece os nomes das letras?
 
6. Reconhece outros nomes da classe?
 
7. Escreve outros nomes sem modelo?
 
8. Utiliza as letras convencio-nais na escrita dos nomes?
 
9. Utiliza o conhecimento sobre os nomes para escrever outras palavras?
 

Observação: A partir do registro na planilha acima é possível ter uma visão das necessidades de investimento com cada criança e também das necessidades coletivas de trabalho com a classe. 

Atividades complementares - Pesquisa sobre a origem do nome (pesquisa com os familiares) 
- Análise de fotos antigas e atuais da criança.
 
- Montagem de uma linha do tempo da criança a partir das fotos trazidas.


PROJETO CORES E FORMAS Turma: Maternal II 1) Tema: Brincando com Cores e Formas 2) Objeto Detonador: Este projeto tem o objetivo de fazer com que a criança conheça as cores e formas que estão presentes em todos os ambientes em que vive. 3) Justificativa Nesta fase, é importante propiciar à criança a visualização, exploração, contato e manuseio de diversos objetos que compõem o universo das cores e formas, possibilitando a criança identifica-las. 4) Perfil do grupo Crianças de dois anos de idade, participativas e curiosas em contínuo processo de desenvolvimento e descobrimento do seu mundo. 5) Objetivos - Conceituais: • Identificar cores e formas. • Nomear cores e formas. • Ampliar vocabulário. • Desenvolva percepções visuais, auditivas e táteis. • Reconhecer a existência de diferentes formas, (ler) e interpretar. - Procedimentais: • Conhecer e nomear cores e formas. • Aprender a usar as cores. • Reproduzir cores e formas. • Ampliar vocabulário. • Reconhecer existência de formas e cores do mundo. • Utilizar diversos materiais plásticos para ampliar suas possibilidades de expressão. • Produzir trabalhos de arte, utilizando linguagem do desenho, da pintura, da colagem e da construção. • Ampliar o conhecimento do mundo. • Desenhar a partir do que foi observado. - Atitudinais: • Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e natural. • Identificar, valorizar e reconhecer as cores e formas. • Deleitar-se no momento de desenhar. • Apreciar as artes visuais. • Possibilitar a integração com pessoas e ambientes. 6) Janelas: • Linguagem oral e escrita. • Artes visuais. • Natureza e sociedade. • Matemática. • Movimento. • Música. 7) Etapas - Organizar as crianças em rodinha de forma que todas possam olhar-se e interagir. Conversar sobre as cores primárias e algumas secundárias e sobre as formas (quadrado, retângulo, círculo e triângulo). - Mostrar fotos coloridas, observando a diversidade de cores e ressaltando
suas formas. Perguntar a cor preferida de cada um, trabalhando com o lúdico (a cor da roupa da criança, etc.). - Realizar experiência com anilina nas cores primárias com água em recipiente transparente para que observem o resultado. - Apresentar os Blocos Lógicos e valorizar suas cores primárias. Permitir que manuseiem. Propor as seguintes perguntas para despertar sua observação: Vocês conhecem os Blocos Lógicos? Quais são essas figuras geométricas? Quais suas cores?, Etc. - Ouvir a música arco íris (Xuxa), acompanhando o ritmo com o material da bandinha; - Registrar com guaxe de cores variado o que mais chamou atenção da criança na música; - Folhar revistas e observar o que mais lhes chama a atenção; - Confeccionar mural com figuras escolhidas pelas crianças; - Pedir aos pais que mandem uma fruta de casa para fazer uma salada de frutas, (explicar aos pais o objetivo da solicitação); - Fazer uma salada de frutas junto com as crianças e usar as cores trabalhadas. Registrar com colagem de recorte de frutas de revista. - Levar as crianças a observarem as cores de tinta que temos. - Registrar a cor vermelha: pintar com guaxe o coração. - Registrar a cor azul: pintar um céu com buchinha e guaxe e colar estrelas. - Registrar a cor amarela: pintar um girassol com cola colorida. - Registrar a cor verde: papel crepom molhado e batido. - Deixar as crianças misturarem as cores de tinta a seu critério e observar as cores novas que descobriu; - Falar as crianças, sobre o arco íris, se sabem o que é, quem já viu; - Brincar com massinha nas cores do arco íris; - Confeccionar um arco íris com as crianças. Registrar o arco íris usando mistura de cores de tinta guaxe com buchinha. - Conversar com as crianças sobre as cores da natureza e seres vivos (peixes, mar e conchinhas). Registro com areia e guache misturados, colagem de conchinhas e de peixinhos feitos com furador. - Organizar um aquário na sala com um peixinho; - Escolher um nome para o peixinho; - Explicar as crianças quais os cuidados que devemos ter com o peixinho e como proceder; - Fazer registro de um peixe com colagem de papel celofane. - Dividir a tarefa de cuidar do peixinho com as crianças; - Explicar aos pais o objetivo da atividade e solicitar autorização para que a criança leve o peixinho para passar uma noite em sua casa; - Realizar um sorteio em sala e colocar em um cartaz, o roteiro do peixinho para que as crianças possam saber quando será sua vez de levar para casa. - Ouvir a música "Aquarela". Registrar, usando lápis de cor para aquarela. - Explorar os livros da Turma da Mônica chamados: Turma da Mônica e as Formas Geométricas e Turma da Mônica e as Cores. Contar a história e permitir que as crianças manuseiem os livros. Registro (desenho com interferência). - Espalhar formas geométricas coloridas pela sala de aula e pedir que as crianças as encontrem. Incentivar a dizerem o nome e a cor. Pedir que colem esta figura em uma folha e que a partir dela façam um desenho; - Fazer uma casinha com formas geométricas, e pedir que montem, identificando qual é cada forma. Fazer também um prédio e comparar as formas geométricas usadas; - Brincar de jogo dos quatro cantos: desenhar um grande quadrado no chão, e cada um fica num canto, e tem um pego. Quando a professora fala trocou, os colegas tem que trocar de lugar e o pego tem que tentar entrar em um dos cantinhos. - Esconder em sala algumas formas geométricas. Mostrar uma forma e a turma deve encontrar a mesma forma mostrada. Colocar formas geométricas nas crianças e pedi-los para achar as mesmas formas;
- Registro da figura geométrica quadrado: pintar com guaxe o quadrado apresentado e ao lado desenhar seu próprio quadrado na cor desejada. - Registro da figura geométrica triângulo: utilizar um sorvete na casquinha e pedir que coloram apenas o triângulo com giz de cera. - Registro da figura geométrica retângulo: a partir do desenho de um caminhão, pedir que coloram apenas a parte retangular. - Brincar de bolinhas de sabão e enfatizar o formato. Registrar círculos coloridos; - Trabalho de registro: pintar de azul todos os quadrados. A outra forma pinte como quiser. - Trabalhar a bandeira brasileira. Fazer o contorno da bandeira brasileira. Cortar vários pedacinhos de papel verde em formato de retângulo, vários amarelos em formato de losango e vários azuis em formato de círculo. Montar um mosaico da bandeira. - Colar círculo amarelo numa folha e pedi-los para desenhar um sol. - Realizar brincadeira na quadra: usar um grande lençol e várias bolinhas coloridas (da piscina de bolinha) colocando todas as bolas em cima do lençol e fazendo um grande quadrado com todos os alunos segurando-o. Dar um sinal e propor que todos sacudam bem o lençol até todas as bolinhas caírem no chão. Estas ficarão misturadas, então, propor que corram buscando as bolas por cor para guardar. - Trabalho de registro montando mosaico com as cores das bolinhas. - Colar no chão um quadrado vermelho, um triângulo amarelo e um círculo azul. Ir brincando: meninas dentro do círculo azul... Meninos no quadrado vermelho... Meninas com cabelo preso no triângulo amarelo... 8) Avaliação • Será feita avaliação ao longo do projeto observando o cumprimento de etapas. 9)Duração • Aproximadamente dois meses.


 
Capacidade para serem trabalhadas inclusive pelo professor regente:

·         Coordenação motora grossa;
·         Orientação espacial;
·         Discriminação visual;
·         Coordenação viso motora;
·         Orientação temporal-rítmica;
·         Orientação temporal;
·         Coordenação motora fina;
·         Orientação temporal (noção de ritmo);
·         Linguagem oral;
·         Memória;
·         Memória visual;
·         Memória auditiva;
·         Atenção;
·         Análise e síntese;
·         Classificação;
·         Comparação;
·         Seriação;
·         Concentração;
·         Discriminação tátil;
·         Lateralidade;















Antes de dar inicio a qualquer jogo ou brincadeira, deve-se dar uma explicação bem clara e breve aos alunos

- é muito importante que se conheça bem o jogo ou brincadeira antes de propô-lo aos alunos

- é fundamental estimular os alunos para que criem novas situações, variando os jogos e brincadeiras.

- todo material utilizado nas aulas deverá ser preparado com antecedência.

- nunca estipule regras em que os alunos não consigam cumpri-las;

- incentive os alunos, para que ninguém deixe de participar;

- evite jogos e brincadeiras em locais escorregadios ou molhados;

- seja justo e imparcial

- o jogo ou brincadeira deve se encerrar antes que o interesse e a satisfação dos alunos acabem






















DOIS EM UM:

Formação: os alunos no pátio formam duplas.
Cada aluno escolhe uma parte do corpo e se une ao colega.
Ex: dão-se as mãos, os braços, unem-se as pernas, etc;

Desenvolvimento: o professor avisa que os alunos só poderão se movimentar unidos, evitando se soltarem.
O professor então dará as ordens:
- andar para trás
- andar para o lado
- andar para frente
- andar depressa
- andar para frente
- saltar um bastão

Se alguma dupla de soltar, o professor pedirá que fique assentada
E a brincadeira se repete.
Será considerada a vencedora a dupla que não se soltar ate o final da brincadeira

·         Atenção
·         Concentração
·         Lateralidade












QUEM ESTÁ COM O ANEL

Formação: alunos no pátio, ajoelhados em circulo, segurando um cordão que passa por dentro de um anel.
O professor coloca um aluno no centro da roda

Desenvolvimento: os alunos passam rapidamente o anel para o colega ao lado, enquanto o colega do centro procura acompanhar o seu deslocamento.
A um sinal do professor, todos ficam parados. Ele pergunta ao aluno do centro:
- quem está com o anel?
Ele apontara um colega.
Se acertar ira para o lugar dele, se errar continuará no centro da roda.

·         Atenção
·         Concentração
·         Memória visual
·         Coordenação motora































OS TRÊS PÉS

Formação: os alunos deverão formar, aos pares, duas fileiras.
Cada aluno amarrará o seu tênis ao do colega (pé direito com pé esquerdo), dando um laço com cadarços.
A uns três metros à frente das fileiras, o professor colocará duas cadeiras.

Desenvolvimento: o professor dará um sinal, e o primeiro par de cada fileira sairá com os pés amarrados, caminhando bem depressa, devendo contornar a cadeira e voltar novamente, ocupando o último lugar da fila.
Dado outro sinal, o segundo par sairá do lugar, e assim sucessivamente, até que todos tenham feito o mesmo percurso.
Será considerada vencedora a fileira que terminar primeiro.

·         Atenção
·         Concentração
·         Lateralidade
































ZOOLÓGICO    

Formação: o professor leva os alunos para o pátio e todos se sentam no chão, formando uma roda. Cada aluno escolhe ser um animal que quiser.

Desenvolvimento: o professor inicia a brincadeira dizendo:
- fui ao zoológico e vi que lá não tinha elefante
O aluno que escolheu esse animal retruca imediatamente:
- elefante tinha, o que não tinha era macaco
- macaco tinha, o que não tinha era camelo
E assim por diante. O aluno que não responder imediatamente, quando for citado o animal que ele escolheu, sairá da brincadeira ou pagará um prenda.

·         Concentração
·          Atenção
·          Memória auditiva


































COMO EU SOU?

Formação: No pátio, o professor coloca os alunos aos pares, um de frente para o outro, formando duas rodas.

Desenvolvimento: o professor dá um sinal, e os alunos que estão no centro da roda começam a observar o seu par.
Depois de alguns minutos, o professor dá um novo sinal e aponta para um dos alunos que foi observado. O aluno apontado pelo professor pergunta ao seu par:
- como eu sou?
E o aluno que observou deverá fechar os olhos e descrever o colega
(dizer o nome, a cor dos olhos, a cor do cabelo, etc).
E assim continua a brincadeira, ate que todos tenham participado.
O aluno que não souber descrever o colega pagará uma prenda.

·         Atenção
·         Concentração
·         Memória visual























TEMPESTADE NO MAR

Formação: o professor coloca no pátio tantas cadeiras quantos forem os alunos, menos um, formando um circulo. No centro do circulo colocara um aluno em pé, que será o comandante.

Desenvolvimento: a um sinal do professor, o comandante começa a falar:
- Atenção! Estamos em um navio em alto mar, e esta ameaçando cair uma tempestade. Portanto, façam tudo conforme eu disser:
- todos à direita! (os alunos deverão, ao mesmo tempo, mudar de lugar assentando-se na cadeira do vizinho a direita)
- todos à esquerda! (os alunos deverão, ao mesmo tempo, mudar de lugar assentando-se na cadeira do vizinho a esquerda)
O comandante dará muitas ordens, ora pra direita, ora pra esquerda. Num determinado momento falará:
- tempestade no mar! (nesse momento, todos os alunos deverão se levantar de suas cadeiras, trocando de lugar com os colegas, assentando-se em qualquer lugar).
O comandante aproveitará a confusão e ocupará um lugar, e quem ficar de pé, será o novo comandante.

·         Atenção
·          Concentração
·         Orientação espacial
·         Lateralidade
·         Coordenação viso motora
















OS MARINHEIROS

Formação: o professor levará os alunos para a quadra e pedirá que se coloquem sobre a linha central.
Dirá aos alunos que um lado da quadra representará o mar e o outro representará a terra.
Fará o papel de capitão, e os alunos serão marinheiros, que devem ficar um ao lado do outro sobre a linha que separa o mar da terra.

Desenvolvimento: o professor, que será o capitão, iniciara a brincadeira dando ordens aos seus marinheiros.
O capitão dirá:
- ao mar pulando!
Os marinheiros devem se deslocar em direção ao mar pulando.
O capitão dirá:
- ao mar, andando nas pontas dos pés!
Os marinheiros continuam na parte que representa o mar, agora andando na ponta dos pés.
Depois o capitão dirá:
- a terra correndo!
Os marinheiros então correm em direção a terra.
E o capitão continuará dando ordens, que deverão ser cumpridas pelos marinheiros.
- A terra pulando de um pé só.
- Ao mar, pulando com as mãos para cima.
- a terra, com os braços abertos, como se fossem asas.
A brincadeira terminará quando cessar o interesse.

·         Atenção
·         Concentração
·          Coordenação motora grossa








O CESTO DE FRUTAS

Formação: o professor leva os alunos para o pátio e coloca-os em circulo, assentados. Cada um escolhe uma fruta que quer representar. No centro do circulo, o professor coloca um aluno em pé.
Desenvolvimento: o professor dá um sinal para iniciar, e o aluno do centro pergunta em voz bem alta:
- passou por aqui um fruteiro que levava no cesto, banana e laranja.
Os alunos que tem os nomes dessas frutas trocam rapidamente de lugar, um com outro.
Nesse momento, o aluno do centro tenta ocupar um dos lugares vagos.
Se o aluno do centro conseguir pegar o lugar vago, o dono do lugar passa a dirigir a brincadeira.
Ao invés de falar o nome das duas frutas, poderá dizer:
- o cesto virou!
Nesse caso, todos os alunos mudam de lugar.

·         Atenção
·         Concentração
·         Orientação viso motora



























CESTO DE BATATAS

Formação: o professor leva os alunos para a quadra, divide-os em duas equipes. As equipes se assentam uma de cada lado, nas laterais da quadra.
O professor coloca, numa extremidade da quadra, dois cestos, um ao lado do outro, com mais ou menos 15 batatas em cada um. Do outro lado da quadra, a mais ou menos 15m de distancia, coloca mais dois cestos vazios. O professor delimita, no chão, a linha de partida.

Desenvolvimento: a um sinal do professor, o aluno de cada equipe se levanta, seguindo a ordem da fila, e se coloca na linha de partida. O professor do um novo sinal e os dois alunos corre ate os cestos, onde devem pegar as batatas (uma de cada vez) e colocá-las nos cestos vazios.
À medida que os alunos vão terminando de transportar as batatas, assentam-se novamente no seu lugar. O segundo aluno de cada equipe se levanta e reinicia todo o processo, retornando com as batas para o primeiro cesto.
Se algum aluno deixar cair a batata, voltará novamente para a linha de partida.
Será considerada vencedora a equipe que terminar primeiro.

·         Atenção
·         Concentração

























OS CARRINHOS

Formação: o professor coloca os alunos na quadra, dividindo a turma em três fileiras. Dirá que eles irão imitar carrinhos

Desenvolvimento: o professor mostrará aos alunos cartões de várias cores, e dirá que eles irão se movimentar de acordo com a cor do cartão que ele apresentar, devendo prestar bastante atenção.

Ex:      Cartão amarelo: andar para frente
            Cartão verde: andar para trás
            Cartão vermelho: parar de andar
            Cartão azul: andar de lado

O professor dará o sinal de inicio e pedirá aos alunos que andem pela quadra, como se estivessem dirigindo um carrinho. Mostrará, de quando em quando, um cartão de cor diferente, para que os alunos andem de acordo com a cor do cartão. Os alunos que errarem, ou que trombarem no colega, deverá passar para o ultimo lugar da fila.
Será vencedora a fileira que errar menos.

·         Atenção
·          Concentração
·         Lateralidade





SEMANA DE ADAPTAÇÃO (SUGESTÕES)
                                                                                  Educação infantil
-Conferir a listagem
-recepção e boas-vindas
-apresentação do professor
-apresentação do aluno (formar uma roda)
-solicitar que cada um cante uma musica conhecida
-apresentar algumas musicas  conhecidas(borboletinha,pintinho amarelinho,indiozinhos,marcha soldado,etc...)
-musicas em cd
-conhecer os banheiros da escola
-oração-musicas-calendario (dia da semana, dia,mês,ano)-ajudantes(1 menino e 1 menina,que serao os primeiros na fila,ajudarâo a professora,etc...).trabalhar a letra inicial,final,numero de letras,registrando na lousa.
-fazer a chamadinha pelo crachá (nos primeiros dias o professor chama, depois espalha na roda e pede para cada um pegar o seu.
-leitura do alfabeto e numeros (ex: alfabeto da xuxa, alfabeto da eliana, indiozinhos).
-desenho livre
-massinha
-jogos pedagogicos
-sugestão de histórias
-branca de neve  -confeccionar o espelho
-quem roubou a alegria do palhaço? –fazer o corpo do palhaço com bolinhas de crepom.
-a borboleta e o grilo-fazer o dedoche da borboleta (pode-se trabalhar a musica ao invés de uma historia)
-sugestão de musicas
-a barata diz que tem - conversar com as crianças sobre as causas e consequencias de uma mentira.(normas de conduta,mentira)
-conheço um jacaré-troque o nome do jacaré pelo nome de um aluno ao cantar a musica; pergunte as crianças qual a comida preferida delas; fale da importancia de se alimentar bem.(esquema corporal,habilidade,alimentação)
-o meu pezinho-trabalhe noções de limite: onde não devemos colocar os pés?(cadeira, mesa, sofá,banco do carro,etc)
Brincadeira: onde está meu tenis?
Peça as crianças que tirem os sapatos.
Junte,misture e espalhe.
As crianças devem procurar o seu par e calçar.
Ganha os 3 primeiros que conseguirem(eu sugiro dividir a sala em dois grupos e incentivar a ajuda para quem não está conseguindo)
(amizade,esquema corporal,ritmo)
-marcha soldado-confeccionar o chapéu de jornal com eles.(expressão corporal)
-minhoca me da uma beijoca-falar sobre a umportancia da minhoca para o solo e para a agricultura.diga as crianças que o beijo demonstra carinho e amor pelas pessoas.(coordenação motora,dialogo)
-caranguejo-desenhe no chão uma linha em ziguezague. Peça as crianças que andem de lado como caranguejo. Quais são os animais que vivem no mar?pedir que tragam figuras de animais marinhos para confeccionar um cartaz com a letra da musica.(noção espacial,sicronia de movimentos).
-seu lobato-(som dos animais)
Em uma caixa, coloque variadas gravuras de animais. Peça a cada criança para tirar uma gravura e imitar-lhe a voz e os movimentos.
Sugestão de brincadeiras
Corrida do saci ou corrida dos sapatos:traçam-se duas linhas paralelas e distantes. Na primeira linha, os corredores tiram os sapatos, que são  levados para trás da outra linha, onde são misturados. Dado o sinal, eles devem sair pulando com o pé esquerdo  até a outra linha. Depois de calçar seus sapatos, devem retornar,  pulando com o pé direito. Vence quem chegar primeiro  ao local de chegada, estando calçado de modo correto.
Dança da cadeira
Elefantinho colorido
Historia da serpente
Coelhinho sai da toca
Passe a bomba(igual batata quente)
Crianças sentadas em circulo.uma ficara com um objeto na mão que representara a bomba.a professora irá dizer:
Passe a bomba agora então
Preste muita atenção
Ela não pode cair
Cuidado vai explodirrrrrrrrrr
*quem ficar com a bomba na mão sai da brincadeira.vence o ultimo que permanecer na brincadeira.
Espalhar os crachás no meio da sala e pedir para que os alunos procurem qual é o seu;
Misturar os crachás no chão, para que separem os nomes dos meninos dos nomes das meninas;
Separar os crachás cujos nomes comecem com a mesma letra;
Usar os crachás para fazer a chamada diária;
Separar os crachás cujos nomes tenham o mesmo número de letras;
Colocar os nomes em ordem alfabética;
Trabalhar com alfabeto móvel, para que cada aluno monte o seu nome e dos colegas;
O trabalho com o nome propicia...

Diferenciar letras e desenhos;

Diferenciar letras e números;

Diferenciar letras, umas das outras;

Refletir sobre a quantidade de letras usadas para escrever cada nome;

Refletir sobre a função da escrita dos nomes: para marcar trabalhos, identificar materiais, registrar a presença na sala de aula (função de memória da escrita) etc;

Sistematizar a orientação da escrita: da esquerda para a direita;

Entender que se escreve para resolver alguns problemas práticos;

Conhecer o nome das letras;

Ter contato com amplo repertório de letras (a diversidade e a quantidade de nomes numa mesma sala);
Atividades para o trabalho com o nome

Batata–quente, onde todos em roda ouvem uma música, enquanto vai passando um objeto qualquer, ao parar a música quem estiver com o objeto deverá dizer o seu nome, pegar o seu crachá no meio da roda, identificando-o dentre os demais e guardá-lo no quadro de pregas, na respectiva inicial;
Todos em roda, em pé, recebem um crachá qualquer, ao sinal da professora cada um deverá ir em busca de quem está com o seu crachá, ao encontrar troque de crachá.
Cada um ao chegar, deverá localizar o seu crachá na mesa, escrever seu nome na lousa e guardar o crachá no quadro de pregas, contaremos quantas crianças vieram e quantas faltaram
Bingo - utilizar o crachá para brincar bingo, de forma que cada aluno recebe uma tira quadriculada de papel de acordo com a quantidade de letras que diz ter o seu nome, registra o mesmo com uma letra em cada quadrado. Na hora do bingo ao ser sorteada sua letra, este quadrado deverá ser pintado;
Bingo com cartelas contendo mais de um nome;
Que nome é esse? É uma brincadeira onde a professora ou um aluno diz: “te dou um c, te dou um a, te dou um i, te dou um o, o que formou?” A turma deverá responder: caio. Este rapidamente pega seu crachá e guarda no bolsão de letras, podendo ser o próximo a cantar as letras do próximo nome;
Com a música: a canoa virou... , em roda ao falarem o nome da criança esta deverá pegar o seu crachá no centro da roda e colocá-lo no bolsão de letras;
Chamada na roda, através de um círculo, onde uma criança fica no meio da roda com uma bola ou outro objeto, esta deverá dizer o seu nome e jogar a bola para outra criança que trocará de lugar com ela e repetirá o procedimento;

Arremessando a bola para o alto no meio da roda uma criança deverá dizer o nome de um dos colegas, este tentará pegar a bola, se conseguir repete o procedimento, se não conseguir a mesma criança que iniciou escolhe outro colega;
























BRINCADEIRA DAS CORES

Formação: o professor leva os alunos para o pátio e os dispõe assentados, formando uma roda.
No centro da roda, colocará seis cartões  de cores diferentes

Desenvolvimento: o professor chamará um aluno ao centro e pedirá que observe bem as cores dos cartões, pois um deles ira desaparecer.

Depois de o aluno observá-los  por alguns instantes, o professor colocará uma venda em seus olhos, enquanto os colegas da roda cantam uma música que seja do conhecimento de todos.

O professor, então, retirara um dos cartões e esconderá. Ao terminar a música, o professor retirará a venda dos olhos e lhe perguntará:
- qual foi a cor que desapareceu?

O aluno, então deverá dizer a cor do cartão que desapareceu. Se ele não acertar, fará nova tentativa para descobrir.

·         Atenção
·         Concentração
·         Memória visual


























ENCONTRE UM LUGAR

Formação: o professor colocará no pátio duas fileiras de cadeiras dispostas lado a lado, sendo uma de costas para as outras, tendo, no total uma a menos que o número de alunos. Os alunos se colocam em fila, com as mãos para trás, em volta das cadeiras.

Desenvolvimento: o professor dará inicio a brincadeira, colocando uma música para que os alunos andem tornando um circulo em volta das cadeiras.
De repente, os professores para a música e os alunos procurarão assentar-se na cadeira mais próxima.
Como haverá uma cadeira a menos, sobrará um aluno, que deverá sair da brincadeira.
O professor então retirará uma cadeira, sendo reiniciada a brincadeira; e assim por diante, ate restar apenas uma cadeira.
Vencerá o aluno que conseguir assentar-se na última cadeira.


·         Atenção
·         Concentração
·         Orientação espacial
·         Coordenação motora grossa
·          Coordenação visomotora
·         Memória auditiva













Nenhum comentário:

Postar um comentário